Reunião de Protógenes com senadores afasta temor de prisão em CPI

BRASÍLIA - O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz se reuniu nesta quarta-feira com alguns senadores e deputados e afastou o temor de ser preso durante seu depoimento na CPI dos Grampos, dia primeiro de abril. Devido a notícias que davam conta da intenção do presidente da comissão, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), de querer prender o delegado, os parlamentares se reuniram em apoio a Protógenes e obtiveram a garantia de Itagiba que nenhuma prisão vai ser feita durante o evento.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

A reunião deixa o Brasil mais tranquilo, inclusive esta autoridade, que vai colaborar com a CPI, disse Protógenes, acrescentando que, apesar do apoio, não chegou a acreditar que realmente seria preso na CPI. Confio nos deputados e em cada membro da CPI, disse.

A reunião desta manhã contou com a presença dos deputados Chico Alencar (PSOL-RJ) e Ivan Valente (PSOL-SP), Luciana Genro (PSOL-RS), Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ) e Janete Capiberibe (PSB-AP), além dos senadores José Nery (PSOL-AL), autor do convite a Protógenes, Pedro Simon (PMDB-RS), Inácio Arruda (PC do B-CE) e Eduardo Suplicy (PT-SP).

Agência Brasil
Protógenes (centro) com Eduardo Suplicy e José Nery durante reunião

O senador petista disse que conversou com Itagiba, que lhe garantiu que não vai prender Protógenes em hipótese nenhuma durante seu depoimento à CPI. O senador Pedro Simon, por sua vez, disse que seria um ridículo atroz qualquer tentativa de prisão contra o delegado.

Seria até uma promoção para o Protógenes, que teria o Brasil todo a seu lado. Se prendessem ele teria pedidos de habeas corpus na hora e queria ver se o presidente do Supremo daria tão rápido [como deu para Daniel Dantas], disse. Estão querendo prender o delegado e esqueceram do banqueiro, que está de heroi, completou.

O senador José Nery disse que o grupo que se reuniu nesta manhã vai acompanhar o depoimento no dia primeiro de abril. De acordo com ele, é uma forma de dar apoio e evitar qualquer tipo de abuso. Disse também que uma nota conjunta vai ser escrita, defendendo a Satiagraha e a atuação do delegado.

Nomes

Protógenes disse que pretende esclarecer a participação dos investigados na operação Satiagraha, e que vai dar novos nomes de envolvidos em seu depoimento na CPI no próximo dia primeiro.

Vou dar nomes, individualizar condutas e dizer o papel de cada um no esquema criminoso, disse. Questionado se daria novos nomes, Protógenes respondeu que "sim.

Sobre o inquérito que apura vazamentos na operação e indiciou Protógenes por quebra de sigilo funcional e desobediência à Lei das escutas telefônicas, Protógenes disse que por coincidência o indiciamento foi feito uma semana antes do Tribunal Regional Federal da 3ª região ter atestado a legalidade da colaboração entre Abin e Polícia Federal.

Disse ainda que no futuro toda a produção de provas feitas contra a Satiagraha e em benefício de Daniel Dantas devem ter seus responsáveis e seus interesses revelados. Quem produz prova a favor de bandido, bandido é, disse. No futuro essas situações [de investigações para desmontar a Satiagraha] vão ser esclarecidas, pontuou.

Itagiba

O presidente da CPI dos Grampos, Marcelo Itagiba, se irritou com as insinuações de que ele poderia prender Protógenes durante o depoimento. De acordo com ele, essas informações são plantadas e servem para colocar o delegado como vítima.

De acordo com ele, seu voto que pede o indiciamento de Protógenes na CPI é por falso testemunho que teria sido dado por Protógenes no que diz respeito à participação da Abin na Satiagraha. É preciso separar o joio do trigo. O pedido para indiciar é por falso testemunho. No mais tenho uma relação cordial com o delegado. O resto é marola para colocar ele como vítima, afirmou.


Leia mais sobre: Operação Satiagraha

    Leia tudo sobre: satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG