informal de São Paulo, Plastic City é exibido no Festival de Veneza - Brasil - iG" /

Retrato informal de São Paulo, Plastic City é exibido no Festival de Veneza

VENEZA ¿ O filme com co-produção brasileira Dangkou - Plastic City, dirigido pelo chinês Yu Lik-wai, foi exibido hoje na seção competitiva do Festival Internacional de Cinema de Veneza. A história - uma produção conjunta de Brasil, China, Japão e Hong Kong - se passa na Liberdade, um bairro de São Paulo, e mostra o mundo da corrupção e do mercado negro da pirataria, controlado pelas máfias com a conivência de políticos.

Redação com EFE |

A atriz Huang Yi, o diretor Yu Lik-way e os brasilei- 
ros Tainá Muller e Milhem Cortaz / Getty Images

No entanto, a trama dificilmente seguirá na competição, pois, desde o primeiro momento, se mostra mais como um trabalho de videoarte do que de cinema.

Tais declarações foram dadas em entrevista coletiva pelo próprio diretor, Yu Lik-wai, quando explicou que "Plastic City" não pretende mostrar uma questão social de forma realista, mas através de "uma proposta informal". Ele explicou que o que mais deu trabalho foi encontrar "a forma".

Esta forma leva a uma decomposição da realidade de tal modo que o filme chega a se distanciar da trama para mostrar, em imagens artísticas, viagens alucinógenas e batalhas urbanas mais próprias da história em quadrinhos e do desenho do que do cinema.

Filmado em São Paulo, "Plastic City" mostra a ação da Yakuza na maior cidade da América, com lutas de espadas e efeitos digitais. O longa mistura elenco oriental e brasileiro, caso da atriz Tainá Muller, descoberta no longa-metragem gaúcho "Cão Sem Dono", e de Milhem Cortaz, figura carimbada da sétima arte nacional, que recentemente pôde ser visto nas telas em "Tropa de Elite" e "Encarnação do Demônio".

Depois da co-produção Brasil-China, na segunda-feira é a vez de uma parceria ítalo-brasileira ser exibida na seleção oficial. "Birdwatchers", do italiano Marco Becchis, registra o cotidiano e a disputa por terra dos índios guarani-kaiowà em Dourados, no Mato Grosso do Sul. Protagonizado pelos próprios indígenas, que viajaram a Veneza para prestigiar o festival, o filme ainda tem a participação de Matheus Nachtergaele e Leonardo Medeiros.

Nacionalismo no Lido?

"Un Giorno Perfetto", o primeiro filme italiano exibido hoje na seção de competição do Festival, deu novos argumentos para as pessoas que disseram que este ano o evento seria marcado mais pelo nacionalismo do que pela qualidade.

O longa, do diretor italiano de origem turca Ferzan Ozpetek, conta a história de Antonio, interpretado por Valerio Mastandrea, e Emma, sua esposa, interpretada por Isabella Ferrari. Emma tenta se separar de Antonio, que não aceita a decisão da mulher e tenta evitar que isso ocorra de qualquer forma, até mesmo com o uso de violência física.

No entanto, surpreendentemente, o filme não aborda a questão como um problema social, mas sim trata como se fosse um simples fato. O diretor se afasta do problema social da violência de gênero ao colocar a trama no âmbito de um assassino psicopata.

"Gostar de uma pessoa da forma como acontece em 'Un giorno perfetto' é uma coisa que me fascina muito. Não se entende quem é a vítima e quem é o carrasco", afirmou Ozpetek.

Valerio Mastrandrea e Ferzan Ozpetek,
de "Un Giorno Perfetto" / Getty Images

Durante o filme, esse "desejo" do qual Ozpetek fala leva Antonio a bater na mulher, persegui-la, tentar estuprá-la e matar os dois filhos do casal. Ozpetek assegura que, ao final do filme, "o único carrasco é a vida", e que sua pretensão foi fazer o espectador "tentar compreender" as ações dos personagens.

"Nos jornais, lê-se sobre 'monstros' que matam e coisas horríveis que acontecem, mas o filme mostra o espírito destes 'monstros' que, no fundo, são pessoas como nós", diz.

O filme se baseia no romance de mesmo nome do escritor Sandro Petraglia, apesar de o diretor italiano ter reconhecido em entrevista coletiva que mudou vários aspectos do livro. Entre essas mudanças figuram a "suavização da violência", a substituição de um homossexual por uma mulher (o que Ozpetek garantiu se tratar mais de estética do que de moral), a inclusão de uma personagem que parece ser um anjo e a mudança dos lugares onde se passa o romance. Graças a essas mudanças houve espectadores que disseram que "o livro é muito bom, mas o filme é muito ruim".

Um sentimento que veio a confirmar as críticas sobre o viés nacionalista do evento, que este ano colocou quatro filmes italianos na competição, sem que a qualidade do cinema local atual justifique isso. Algumas acusações, como as do jornal alemão "Der Spiegel", obrigaram o ministro da Cultura italiano, Sandro Bondi a falar sobre o assunto.

Bondi disse que a presença de filmes italianos é grande porque durante anos a ausência dos mesmos "foi criticada". A acusação de um "excessivo patriotismo" coincide com o momento em que, após a chegada de Silvio Berlusconi ao poder, o país está sob suspeita de ser xenófobo devido à campanha de expulsão de imigrantes.

Leia mais sobre: Festival de Veneza

    Leia tudo sobre: festival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG