Restrição a caminhões em SP começa na segunda-feira

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) destacará 500 agentes para fiscalizar a nova regra para circulação de caminhões no centro expandido de São Paulo, a partir de segunda-feira. A restrição será fiscalizada com rigor e sem tolerância com eventuais abusos, informou em nota o Secretário Municipal de Transportes, Alexandre de Moraes.

Agência Estado |

Segundo ele, a Polícia Militar apoiará a CET e poderá aplicar multas.

A medida restringe o tráfego de caminhões na Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC). Os veículos de médio e grande porte não poderão transitar na área, de 100 quilômetros quadrados, das 5 horas às 21 horas, de segunda a sexta-feira, e das 10 às 14 horas, aos sábados. Já os caminhões com até 6,3 metros de comprimento terão de respeitar um rodízio de placas par e ímpar até 31 de outubro. A partir de 1º de novembro, todos os veículos de carga só poderão circular na ZMRC das 21 horas às 5 horas.

Com a mudança, a Prefeitura espera conter os congestionamentos na cidade. Estima-se que, em julho, cerca de 85 mil caminhões deixarão de trafegar pela ZMRC. Até o fim de outubro, esse número pode subir para 100 mil. Segundo a CET, os pontos de fiscalização da área seguirão um esquema de rotatividade, a fim de evitar rotas de fuga. Rotas específicas serão percorridas por 50 motos e 50 viaturas da CET. Serão utilizadas ainda 51 câmeras de monitoramento e os radares de Leitura Automática de Placas.

O desrespeito a medida implicará duas multas de gravidade média. Uma por transitar em local e horário não permitidos, de R$ 85,13, e outra referente ao rodízio, de R$ 85,12. Cada uma prevê quatro pontos na carteira. De acordo com a CET, o mesmo veículo poderá ser multado a cada duas horas, tempo considerado suficiente para o caminhão sair da ZMRC. Ou seja, ele poder ser autuado até dez vezes. As empresas que tiverem seus veículos multados terão 15 dias para indicar o nome do condutor. Caso ultrapassem esse período, o valor total das infrações pode ser multiplicado, atingindo mais de R$ 3 mil.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG