LAQUILA, Itália, 9 de julho 10:32 (Reuters) - O negociador climático chefe do Brasil criticou na quinta-feira o G8 por não tomar medidas mais fortes para reduzir o aquecimento global, dizendo que as metas de longo prazo propostas não têm sentido. O G8 concordou na quarta-feira, em sua cúpula anual, em apoiar a meta de reduzir as emissões globais de gases estufa em 50 por cento até 2050 e reduzir as emissões dos países ricos em 80 por cento.

"Sem uma meta intermediária muito clara, com um número, o número para o longo prazo não tem credibilidade", disse a jornalistas o negociador Luiz Alberto Figueiredo Machado, acrescentando que tal plano corre o risco de transmitir o ônus às gerações futuras.

Ele pediu que os países desenvolvidos reduzam suas emissões em até 40 por cento até 2020. E os países em desenvolvimento, como o Brasil, por sua vez, se comprometeriam a reduzir seu índice de crescimento, ele acrescentou.

"Os países em desenvolvimento concordam que, no médio prazo, haverá uma modificação significativa na curva (ascendente) das emissões. Ou seja, eles vão continuar a crescer, mas em ritmo muito menor", disse.

"E por que vão crescer? Imaginemos que o governo (brasileiro) leve a eletricidade à região rural. Isso vai significar que teremos mais um milhão de geladeiras, mais um milhão de rádios. Tudo isso implica em emissões."

(Redação de Phil Stewart)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.