Renascer diz que contratará empresa de demolição até o final da semana

SÃO PAULO - A igreja Renascer informou, nesta terça-feira, por meio de nota oficial, que até o final desta semana deve apresentar um plano de demolição do imóvel, onde funcionava um de seus templos, à Prefeitura de São Paulo. Está a cargo da instituição contratar uma empresa para realizar os trabalhos. No último domingo, 18, o teto da sede mundial da Renascer, no Cambuci, zona sul da capital, desabou. Nove pessoas morreram e pelo menos 110 ficaram feridas.

Redação com Agência Estado |

Nesta terça-feira, o trabalho dos peritos da Polícia Científica foi interrompido no local devido ao risco de desmoronamentos.

Por medida de segurança, a Defesa Civil interditou nove imóveis vizinhos, na rua Robertson, sendo oito casas e um estabelecimento comercial, já que há o risco de queda das paredes laterais da igreja.

AE
Falta de manutenção do teto pode ter causado o desabamento

Segundo informações preliminares de técnicos da Defesa Civil e da polícia, a estrutura desmoronou por causa de falta de manutenção , pequenas infiltrações e excesso de peso causado por ar-condicionado, aparelhos de som e de iluminação colocados indevidamente no teto nos últimos anos.

Fotografias feitas na segunda-feira pelos órgãos da Prefeitura mostram cupim na madeira do telhado. É possível falar que falta de manutenção também deve ter sido essencial para tragédia, disse uma das peritas. Na semana passada, fiéis relataram que pedaços de gesso se soltaram do teto.

Em nota, a igreja Renascer em Cristo não comenta as denúncias de falta de manutenção e pede para que sejam "evitadas especulações e informações erradas na busca de desvendar o que ocorreu". "Não nos parece nem ao menos razoável usar esse momento tão grave para incentivar o preconceito religioso ou associar a acusações que nada tem a ver com tão lastimável acidente", diz a nota.

A igreja afirma ainda que "trabalha incansavelmente" para que a tragédia seja superada e diz que a preocupação principal do momento "está focada nas vítimas em estado grave e em recuperação nos hospitais, para que nada lhes falte e às suas famílias, assim como às famílias que perderam seus entes queridos".

Estado grave

Das mais de 100 pessoas que ficaram feridas no desabamento do teto da Igreja Renascer e foram atendidas em 21 hospitais da capital paulista, 19 continuam internadas, sendo que três cinco em estado grave.

Entre os feridos, o caso mais crítico até a noite de segunda-feira era de Estefanie Banov de Sá, de 9 anos, que sofreu afundamento de crânio e foi operada. Ela segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Paulo, mas, nesta terça-feira, está estável e não respira mais por aparelhos. Além da menina, Rebeca Martins da Silva, de 55 anos, continua na UTI, com lesão de pneumotórax, mas está estável.

No Hospital das Clínicas (HC), Fabio Jodas de Oliveira, de 27 anos, está em estado gravíssimo na UTI, com politraumatismo e afundamento de crânio. Internada no Hospital do Servidor Público Municipal, Evelise Del Corso, de 17 anos, também sofreu politraumatismos.

De acordo com a Renascer, também está em estado grave Gabriel Romão da Silva, que passou por uma cirurgia no braço e está no Hospital Alvorada. O hospital foi procurado pelo Último Segundo, mas disse que não irá passar informações sobre o estado de saúde da vítima.

O acidente

O teto da Igreja Renascer do Cambuci desabou por volta das 18h50 de domingo e atingiu fiéis que chegavam para assistir ao culto das 19h. Segundo informações dos bombeiros, cerca de 600 pessoas estavam no local, que tem capacidade para abrigar 2 mil. Foi neste templo que, em dezembro de 2005, o meia-atacante do Milan, Kaká, casou-se.

Leia também:

Leia mais sobre: desabamento - Renascer

    Leia tudo sobre: renascer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG