Remédio contra dengue hemorrágica pode estar no mercado em três anos

RIO DE JANEIRO - Um medicamento que diminui os principais sintomas da dengue e que evita a forma hemorrágica da doença poderá estar disponível dentro de três anos. As pesquisas desenvolvidas por cientistas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com ratos de laboratório demonstraram que o uso do remédio modipafant não permite que as plaquetas sangüíneas saiam dos vasos e migrem para os tecidos, como acontece com a dengue hemorrágica, evitando a queda das plaquetas.

Agência Brasil |


O medicamento foi lançado originalmente pelo laboratório Pfizer para ser utilizado contra a asma, mas seus efeitos não se comprovaram eficientes e ele foi descontinuado. De acordo com a professora Danielle da Glória de Souza, do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, o medicamento não atua contra o vírus da dengue, mas sim em suas conseqüências inflamatórias no organismo.

A droga diminui tanto a doença, quanto a letalidade produzida pela dengue. Ela não inibe o vírus em si, mas melhora a resposta do hospedeiro [o doente]. Um dos grandes problemas da dengue é a resposta inflamatória induzida pelo vírus. Isso causa um quadro de doença no paciente.

O modipafant age inibindo um elemento conhecido como fator de ativação plaquetária, que tem a sigla PAF. A pesquisa da UFMG já tem dois anos e envolve outros dois professores: Mauro Martins Teixeira e Irlândia de Souza. Segundo Danielle Souza, os testes em seres humanos dependem de autorização e podem ser realizados já a partir deste ano, a um custo estimado de US$ 20 mil. A utilização do modipafant para a dengue já foi patenteada pela universidade mineira.

Leia também:

Leia mais sobre: dengue


    Leia tudo sobre: dengue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG