O monsenhor Renato Fisichella, diretor da Pontifícia Academia para a Vida do Vaticano, rechaçou hoje pressões para que renuncie ao cargo. Ele é questionado por um artigo no qual, segundo avaliação de críticos, ele teria endossado a prática do aborto.

No ano passado, Fisichella escreveu um artigo no jornal oficial do Vaticano no qual sugeria ser contrário à excomunhão dos médicos brasileiros que realizaram um aborto de gêmeos em uma menina de nove anos que havia sido violentada pelo padrasto. No texto, ele argumentou que os médicos salvaram a vida da menina.

O artigo de Fisichella causou desconforto entre alguns integrantes da academia, para os quais as palavras do monsenhor poderiam dar a entender que o Vaticano estaria aberto a aceitar o "aborto terapêutico". Mais tarde, a Santa Sé reiterou sua posição oficial de oposição ao aborto.

Hoje, Fisichella, a principal autoridade em bioética do Vaticano, se recusou a responder a membros da academia que questionaram, no fim de semana, sua capacidade de ocupar o cargo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.