Religioso mantinha casa para encontros sexuais, acusa ex-coroinha

O monsenhor Luiz Marques Barbosa mantinha uma casa no balneário da Barra de Santo Antônio, a 47 quilômetros de Maceió, para encontros sexuais com jovens e adolescentes que trabalham para a Igreja Católica na região de Arapiraca - segundo maior município do Estado, a 146 quilômetros da capital alagoana. A denúncia foi feita pelo ex-coroinha Fabiano Ferreira, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os casos de pedofilia no Brasil. Fabiano foi o responsável pela filmagem do vídeo onde o monsenhor Luiz Marques aparece em ato sexual com o ex-coroinha Flávio Silva.

Agência Estado |

O depoimento de Fabiano foi um novo golpe na imagem dos religiosos. Além de Luiz Marques, também estão sendo acusados pelo mesmo crime o monsenhor Raimundo Gomes e o padre Edilson Duarte. Os três religiosos foram afastados das atividades eclesiásticas por determinação do bispo da Diocese de penedo (AL), Dom Valério Brêda, depois que o escândalo ganhou repercussão nacional, a partir de uma reportagem sobre o caso veiculada na TV.

Dez integrantes da CPI da Pedofilia, incluindo o presidente da Comissão, senador Magno Malta (PR/ES), estão em Arapiraca, desde a última sexta-feira, para apurar o envolvimento dos três religiosos em abusos sexuais contra ex-coroinhas da Igreja Católica. Os trabalhos da CPI, que foram retomados neste sábado com depoimentos e acareações, prosseguem até domingo. Na sexta-feira, foram ouvidos ex-coroinhas, funcionárias dos padres e as duas delegadas da Polícia Civil de Alagoas que presidem o inquérito sobre o caso.

Dos três religiosos acusados de pedofilia, apenas o monsenhor Luiz Marques foi ouvido. O depoimento dele foi realizado na manhã deste sábado, mas foi interrompido por volta das 12 horas, para o almoço. Em seu depoimento, o religioso contou sua trajetória com padre de Arapiraca e negou qualquer envolvimento sexual com menores.

Até este domingo, pelo menos 25 pessoas devem prestar depoimento aos senadores. Além do monsenhor Luiz Marques, os outros dois religiosos - o monsenhor Raimundo Gomes e o padre Edílson Duarte - vão prestar depoimento aos integrantes da CPI.

Punição

O escândalo sexual teve início quando imagens do monsenhor Luiz Marques Barbosa mantendo relações sexuais com um jovem foram divulgadas na mídia nacional. Os ex-coroinhas ouvidos pela reportagem denunciaram os três religiosos de Arapiraca de crimes de abuso sexual, alegando que haviam sido aliciados quando tinham idades entre oito e 12 anos.

A denúncia repercutiu internacionalmente e obrigou o Vaticano a se manifestar publicamente sobre o caso. Segundo dom Valério Brêda, além do afastamento das paróquias, os religiosos poderão ser expulsos da Igreja. A punição deve ser anunciada até julho.

    Leia tudo sobre: pedofilia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG