BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, votou nesta quinta-feira pelo arquivamento da denúncia por quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa contra o ex-ministro da Fazenda e deputado federal Antonio Palocci (PT-SP).

Relator do caso, Mendes foi o primeiro a votar no julgamento do processo, que, se arquivado, poderá abrir caminho para o futuro político do parlamentar nas eleições de 2010. Os demais ministros do Supremo ainda se pronunciarão sobre o caso.

"A análise exaustiva dos autos permite concluir que não há elementos mínimos que apontem para a iniciativa do então ministro da Fazenda e menos ainda de que Palocci tenha cometido parte em consulta, emissão e entrega do extrato da conta-poupança de Francenildo dos Santos Costa", disse o relator ao ler o seu voto.

Ocorrido em 2006, o escândalo envolvendo Palocci custou-lhe o cargo e o status de nome natural dentro do PT para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Se a maioria dos ministros decidir pela rejeição da denúncia, como esperam colegas de partido de Palocci e o próprio Lula, o ex-ministro fica livre para assumir um papel de protagonista nas eleições do ano que vem, que poderia envolver a disputa pelo governo de São Paulo.

Em 2006, Francenildo relatou à imprensa que Palocci, ex-prefeito de Ribeirão Preto (SP), encontrava-se com lobbistas em uma casa de Brasília, suposto local de distribuição de dinheiro e festas privadas.

Depois da denúncia, o caseiro teve seu sigilo bancário quebrado e divulgado para a imprensa por conta de um alto valor depositado em sua conta. O dinheiro poderia justificar a tese de que ele estava a serviço da oposição.

Francenildo alegou que o dinheiro viera de seu pai, que faria os depósitos em segredo por ele se tratar de um filho ilegítimo.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.