No dia em que as obras do anexo de gabinetes da Assembleia Legislativa deveriam ser retomadas pela Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS) e pela empreiteira Sistema Engenharia, o cenário encontrado ontem foi o mesmo dos últimos sete meses em que a construção está às moscas. Este é mais um dos sucessivos atrasos da obra, que deveria ter sido entregue há dois anos e que custará R$ 26,8 milhões, 158% a mais que o previsto.

Como tem feito nos últimos dias, a CPOS não se pronunciou sobre o novo atraso. Foi a própria estatal do governo paulista, responsável por gerenciar a obra desde o início, em 2006, que afirmou na semana passada sobre a retomada dos trabalhos marcada para ontem. Na terça-feira, Antonio Souza Nicolellis, diretor operacional da Sistema - empreiteira contratada em 2007 pela CPOS para concluir o edifício - e arquiteto responsável pela obra, já havia dito que o reinício poderia ficar para hoje. Mas a CPOS não se manifestou.

Ontem, a reportagem procurou a Sistema para saber sobre a retomada, mas não obteve resposta. Também procurado, o presidente da Assembleia, Vaz de Lima (PSDB), foi outro que preferiu o silêncio. Em entrevista ao JT na semana passada, o tucano afirmou que a obra seria retomada nesta semana. As informações são do Jornal da Tarde .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.