Reforma tributária: Bernardo cobra esforço do Congresso

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, cobrou hoje esforço do Congresso Nacional para votar a reforma tributária. Todos nós queremos a reforma tributária.

Agência Estado |

Aparentemente está vencendo quem quer fazer uma guerra fiscal, quem quer manter a burocracia e quem quer manter a carga tributária inalterada. Isso é muito ruim", disse o ministro, ao término da primeira parte da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Durante sua exposição na reunião do Conselho, Bernardo havia dito que tudo indicava que a reforma tributária não seria feita até 2010. "Com toda sinceridade, acho que dava para votar. Agora, o problema é que a cada dia fica mais difícil", disse o ministro, após a primeira parte da reunião. Segundo ele, se a reforma tributária ficar para 2011, ela só começará a ser implementada em 2013, já que esse processo é gradativo. "É um prejuízo muito grande para o País", afirmou. A reunião do CDES foi interrompida no começo da tarde para almoço, sem a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que preferiu ficar no Palácio da Alvorada, para despachar somente agora á tarde, no Centro Cultural Banco do Brasil.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG