Reforma do planetário de SP deve custar R$ 1,27 milhão

A Prefeitura de São Paulo vai assinar nos próximos dias a contratação de uma empresa que fará a reforma do Planetário do Carmo, na zona leste, fechado desde fevereiro de 2007 por causa de problemas estruturais, rachaduras, afundamento e infiltrações. A recuperação do prédio tinha custo estimado em R$ 1,5 milhão, mas a empresa classificada em primeiro lugar, a Ductbusters Engenharia, ofertou a obra por R$ 1,27 milhão.

Agência Estado |

O governo municipal aguarda apenas o prazo para que demais empresas interessadas possam contestar a concorrência. O prédio foi construído e doado à cidade pela Telefônica em 2005. Segundo a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA), a empresa não deverá assumir a reforma. Os trabalhos serão feitos com dinheiro público, como a reportagem havia adiantado em outubro. A SVMA planeja mandar a conta da reforma para a empresa, por via judicial.

Um dos principais trabalhos a serem feitos no local é a impermeabilização da cúpula, que protege o projetor alemão de última geração Universarium Zeiss VII, o mais moderno do País. Esse equipamento foi comprado em 1996 por R$ 15 milhões - e custou mais caro do que o prédio do planetário, que saiu por R$ 11 milhões. A reforma prevê ainda serviços elétricos e hidráulicos e a recuperação de sistemas de captação de água pluvial. A duração prevista dos trabalhos é de 120 dias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG