Reedição de enciclopédia chinesa modifica um terço do conteúdo

Susana Campo. Xangai (China), 4 out (EFE).- A sexta edição do dicionário enciclopédico chinês, Ci Hai, - que em chinês significa mar de palavras - modificou na última atualização um terço do conteúdo, na comparação com a versão de 1999, incluindo as recentes informações sobre a primeira missão lunar do gigante asiático.

EFE |

A represa das Três Gargantas, a linha ferroviária entre Pequim e o Tibete e a primeira nave espacial enviada ao espaço pelo país estão entre os feitos que ganharam espaço no dicionário no que diz respeito à história recente da China.

Os cinco volumes que compõem a obra também trazem nomes de personagens históricos como Ronald Reagan e Saddam Hussein, e termos referentes ao socialismo com características chinesas, além das reformas da abertura econômica impulsionadas por Deng Xiaoping.

"O dicionário com 130 mil termos reúne nomes próprios, países, personalidades, arte, história e geografia com o objetivo de ampliar o conhecimento dos cidadãos", explicou à Agência Efe Zhu Zhiling, diretor do departamento de vendas do editorial Ci Shu, editora da enciclopédia.

A publicação coincidiu com o 60º aniversário da fundação da República Popular China, embora tenha começado s ser editada em 2005.

"Ao longo dos quatro anos, 79 editores trabalharam na seleção dos termos", detalhou Zhu.

A tiragem inicial é de 16 mil unidades que serão distribuídas em todo o país. Outras 5 mil obras serão impressas e destinadas à província de Hubei, no centro da China.

O novo "Ci Hai" tem 23 milhões de caracteres, dois milhões a mais que a edição anterior publicada em 1999, 16 mil fotografias coloridas ilustrando personagens, a localização de países e ainda as construções emblemáticas como as realizadas em Pequim para os Jogos Olímpicos.

O dicionário pesa cerca de cinco quilos e tem no interior um marcador de páginas que é também uma lupa, para facilitar a leitura, especificou Zhun.

Além da história e da cultura chinesa, as 3.477 páginas do dicionário incluem dados geográficos e culturais de outras nações.

Miguel de Cervantes, Madri e Sevilha são alguns dos detalhes culturais e geográficos incluídos sobre a Espanha.

O dicionário, que já pode ser comprado nas lojas especializadas de Xangai, ocupa um lugar de destaque em uma das maiores livrarias da capital econômica e financeira chinesa, situada próxima à rua Nanjing, considera uma das mais longas avenidas comerciais do mundo.

No centro do estabelecimento, uma pilha de dicionários está disponível para satisfazer a curiosidade dos visitantes.

Um potencial comprador da enciclopédia, Andy, compara, no entanto, que os 1 mil iuanes que custam a obra atualmente (o equivalente a US$ 146), estão 10% acima do preço cobrado pela edição anterior.

"Ci Hai é um dos grandes livros da China e permite consultar informações muito úteis para a vida cotidiana, inclusive, para o trabalho", explicou Andy à Efe.

"É um livro fantástico porque tem informação detalhada. Esta edição é de grande qualidade, acho que posso aprender muito consultando suas páginas", comentou outro visitante, Bian, que explorava as estantes da livraria.

Da mesma forma que qualquer outra língua, o chinês também absorveu estrangeirismos, principalmente os relacionados às novas tecnologias.

Deste modo, nesta atualização da enciclopédia aparecem conceitos como internet, USB, blog e hacker.

Sobre as novas tecnologias, Zhu anunciou que "será desenvolvida uma versão digital e uma aplicação para consultar o conteúdo do Ci Hai em dispositivos portáteis, uma iniciativa que será pioneira no mundo". EFE scf/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG