Recuperação de preços de passagens aéreas deve se manter,diz GOL

SÃO PAULO (Reuters) - A Gol, segunda maior companhia aérea do país, espera uma continuidade na recuperação dos preços de passagens aéreas, apesar de estimar uma queda nos preços do petróleo em 2009. O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, afirmou que o indicador yield, que mede o preço pago por passageiro por quilômetro voado, no terceiro trimestre ficou comparável com os praticados em 2006.

Reuters |

"A recuperação de yield deve se estabelecer. Esperamos que os yields se mantenham nos patamares compatíveis com aqueles que praticávamos em 2005 e 2006 e isso não gerará um desestímulo na demanda no mercado doméstico porque mesmo com a recuperação continuamos oferecendo tarifas competitivas com relação a passagens de ônibus", disse Oliveira Junior.

O executivo participou de teleconferência com analistas e jornalistas sobre os resultados do terceiro trimestre em que a Gol registrou prejuízo de 474,4 milhões de reais em termos contábeis brasileiros (BR GAAP). A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e arrendamento de aeronaves (Ebitdar, na sigla em inglês).

.

No terceiro trimestre, a companhia teve yield de 27,09 centavos de real, um crescimento de 24,7 por cento sobre o mesmo período de 2007.

As ações da Gol, às 16h14 (horário de Brasília), exibiam alta de 8 por cento, cotadas a 8,38 reais. No mesmo horário, o Ibovespa tinha valorização de 0,88 por cento.

A Gol espera para 2009 um preço médio de referência do petróleo (WTI) de 85 dólares o barril ante expectativa para este ano de 105 dólares. Enquanto isso, para o mercado doméstico, a empresa vê crescimento de 6 por cento ante estimativa de expansão de 8,5 por cento em 2008.

Constantino Junior afirmou que o grupo tem expectativa de ampliar destinos, mas os planos "ainda não foram finalizados. As duas marcas (do grupo, Gol e Varig) não têm nenhuma base nova a ser aberta que nos permita fazer um anúncio agora".

O mercado doméstico brasileiro registrou em outubro a primeira queda na comparação anual no número de passageiros transportados desde agosto de 2007, período seguinte ao acidente da TAM que matou 199 pessoas em São Paulo.

A diretora de relações com investidores da Gol, Anna Cecília Bettencourt, informou que os números de outubro não incluíram totalmente os ganhos gerados por nova malha aérea do grupo implantada dia 19 do mês passado.

"A partir do lançamento da nova malha estamos vendo algumas melhoras em termos de taxa de ocupação de nossas aeronaves", informou a executiva. A Gol fechou o terceiro trimestre, encerrado em setembro, com taxa de ocupação de 60 por cento ante 61,2 por cento no mesmo período de 2007.

Sobre eventual interesse da empresa em operar terminal próprio, o presidente da Gol manifestou interesse.

"Nosso negócio primariamente é transportar passageiros, agora se para a gente chegar a essa finalidade for preciso operar um terminal de aeroporto, lógico que temos interesse. Mas isso é muito preliminar porque a gente ainda nem sabe de que forma vai acontecer e quando vai acontecer a privatização de aeroportos", afirmou o executivo.

No início de setembro, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que espera para 2009 o lançamento de edital de concessões dos aeroportos de Viracopos (em Campinas) e Galeão, no Rio de Janeiro.

(Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de Alexandre Caverni)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG