Recrutamento para Forças Armadas atingirá todas as classes, afirma ministro

BRASÍLIA ¿ O ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, afirmou nesta quinta-feira que o recrutamento de pessoas para as Forças Armadas deve atingir a partir de agora todas as classes sociais do País, e não apenas a contratação dos pobres.

Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

As Forças Armadas vão começar a escolher por dois critérios: o da combinação do rigor físico e capacidade analítica, e o da representação de todas as classes e regiões do País. No futuro, prevemos a participação de classes endinheiradas, disse o ministro após a cerimônia de lançamento da Estratégia Nacional de Defesa.

De acordo com o plano, os jovens dispensados do serviço militar serão incentivados a prestar um serviço civil, como ações de cunho social, "de preferência em região do País diferente da região das quais se originam".

O documento apresentado estabelece uma série de diretrizes para a Defesa do País, além de sugerir "tarefas", a serem desempenhadas por diversos ministérios até o final de 2010. Ele se baseia em três eixos: a reorganização das Forças Armadas, a restruturação da indústria brasileira de defesa e a política de composição dos efetivos das forças armadas.

Entretanto, o grande destaque da matéria, segundo o plano, é a mudança profunda no papel das forças armadas, que será de defesa das riquezas do País: recursos energéticos, alimentícios e hídricos.

Leia mais sobre: Forças Armadas

    Leia tudo sobre: froças armadas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG