SÃO PAULO ¿ Cenas fortes de violência colocam os holofotes sobre o seriado A Lei e o Crime, que estreia hoje à noite, na Record. Tanta expectativa vem da assinatura de Marcílio Moraes, conhecido por ter levado as mazelas do morro carioca ao horário nobre na novela Vidas Opostas, em 2006.

Na ocasião, ele fez do criminoso Jackson (Heitor Martinez) sua vedete. Agora, volta a provocar o espectador com personagens do mesmo estilo e a pergunta: "De que lado você está, da justiça ou dos marginais?"

O protagonista Nando, vivido por Ângelo Paes Leme, tem alguns dos ingredientes que fizeram o outro vilão criado por Marcílio se sobressair aos bonzinhos. Ele é um ex-paraquedista que, após assassinar o sogro, se refugia em uma favela, onde assume o controle do tráfico de drogas. Seu maior trunfo, diz o ator, é a proximidade com o real. "Nunca assisti a um seriado policial com traços tão realistas. Porém, ele não deixa de ser um produto de entretenimento. Esperamos que as pessoas curtam a história, mas também notem a linha tênue que separa a lei do crime."

Nando tanto lembra Jackson que Heitor Martinez, inicialmente escalado para o papel, não topou a empreitada. Fiz outro personagem depois do Jackson, mas as pessoas só falam dele, justifica a recusa. Marcílio até entende a comparação. Mas jura que não pretendia retomar Vidas Opostas com A Lei. Minhas criações são sempre inéditas. O percurso, as características e os objetivos dos personagens são inteiramente diversos. Sob certo aspecto, ele é mais complexo, mais humano e mais forte que o Jackson.

Ficou para Martinez o papel do investigador Leandro, um policial acusado de crimes hediondos, que age à margem da lei. "Ele é imprevisível, misterioso e se torna aliado da protagonista, Catarina (Francisca Queiroz). Um autêntico renegado. Tenho certeza de que vai fazer tanto ou mais sucesso que o Jackson", gaba-se o autor.

O seriado terá 16 capítulos - exibidos sempre às segundas, nesta primeira temporada. Estão no elenco nomes como Caio Junqueira (que interpreta um policial fora-da-lei que quer pegar Nando) e André Ramiro (o Tião Meleca, homem de confiança de Nando), ambos conhecidos pelo violento longa de José Padilha "Tropa de Elite" (2007). Mesmo assim ninguém na produção reconhece semelhanças com o filme - embora o cenário imaginado por Marcílio pareça ser tão pesado quanto o de "Tropa".

Isso não quer dizer que a série policial seja só tiros: haverá um ar folhetinesco, presente na narração da personagem Catarina. Ela representa o lado da lei no seriado. É dela o papel de interligar as histórias de "A Lei e o Crime". Milionária formada em direito, tornou-se delegada depois da morte de seu pai, o Alcebíades (Nildo Parente), fuzilado por Nando durante um assalto. Catarina quer justiça e segue os passos do criminoso para colocá-lo atrás das grades.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.