Todas as vítimas cumpriam pena por estupro e dos nove presos assassinados, três foram degolados e os demais decapitados

selo

Uma rebelão no Anexo III, do Presídio São Luís do complexo Penitenciária de Pedrinhas, na capital maranhense, terminou com nove presos mortos. Todas as vítimas cumpriam pena por estupro e dos nove presos assassinados, três foram degolados e os demais decapitados.

Fontes não oficiais indicam que a rebelão pode ter resultado em pelo menos 14 mortos.

O motim começou por volta das 9h, quando presos do Anexo III aproveitaram-se que um agente penitenciário, Raimundo de Jesus Coelho, o Dico, que estava realizando uma vistoria no local. Nesse instante, detentos renderam o agente, tomaram sua arma e o alvejaram com dois tiros. O agente foi transferido para um hospital da capital. Seu estado de saúde grave, mas ele não corre risco de morte.

Depois disso, detentos da cidade de Imperatriz e da região da baixada Maranhense começaram a brigar com presos da cidade de São Luís que dividiam o mesmo espaço. Pelo menos 200 presos estavam no Anexo III do Presídio São Luís. Os detentos exigem a transferência dos detentos de Imperatriz para sua cidade natal, além de melhorias no fornecimento de água e comida. Os detentos também exigem a exoneração do diretor do Presídio São Luís. O Anexo III tem capacidade para aproximadamente 100 detentos.

As negociações transcorreram até o início da noite. Pela manhã devem ser retomadas novas conversas, que estão sendo mediadas pela Polícia Militar, Ordem dos Advogados do Brasil seccional Maranhão (OAB-MA) e Sociedade Maranhense de Direitos Humanos. No início da noite, os líderes do motim foram presos. Os líderes foram identificados como Diferente, Roney Boy e Serec.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.