Reabilitação de pessoas com problemas intestinais deve ser ampliada

Segundo o Ministério da Saúde, além da introdução do transplante de intestino, a ideia é disseminar pelo País serviços de reabilitação de pessoas com problemas intestinais. Desde 1991, o Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) mantém um atendimento desse tipo, que fornece nutrição parenteral domiciliar a pessoas com intestino curto, situação gerada por malformações, doenças e traumas e que impede a correta absorção dos alimentos.

Agência Estado |

Atualmente há 12 pacientes e pelo menos um já poderia se candidatar ao transplante de intestino. “São jovens de 17 a 25 anos e alguns deles não podem nem sair de casa, não têm o prazer de comer pela boca, situação que demanda inclusive ajuda de psicólogos”, diz André Lee, médico do serviço. “O transplante de intestino é o único que não foi para frente. Claro que há outras demandas importantes no País, mas estamos falando de uma população de crianças e jovens”, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG