CURITIBA ¿ Em comum, os três espetáculos que abrem a Mostra Contemporânea, a mostra oficial do Festival de Curitiba, buscam um diálogo não-convencional com o universo teatral. Calígula, Oceano e Rainha [(S)] ¿ Duas Atrizes em Busca de um Coração são as primeiras peças da 18ª edição do Festival de Curitiba, que começa oficialmente a partir desta quinta-feira (19).

- "Oceano" se utiliza das linguagens do Novo Circo para contar a história de um menino que perde seu patinho durante o banho e, quando tenta encontrar o brinquedo, é sugado pelo ralo. Vai parar no fundo do mar, onde encontra pinguins patinadores, sereias e piratas trapezistas, cavalos-marinhos acrobatas e outros seres marinhos circenses. Leia mais sobre "Oceano"

- Encerrando o que chama de Trilogia Niilista, o diretor Gabriel Villela traz esse ano um espetáculo que segue ¿ como em "Salmo 91" ¿ a opção por uma encenação enxuta e cheia de signos que nos relembram, a todo momento, que participamos de um rito teatral. Assistir "Calígula" não é para qualquer um. É preciso paciência de ouvir, já que o texto é bastante verborrágico e filosófico. Leia mais sobre "Calígula"

- O espetáculo "Rainha [(S)] ¿ Duas Atrizes em Busca de Um Coração", dirigido pela majestade Cibele Forjaz, traz à cena o jogo entre outras duas majestades: as atrizes Georgette Fadel e Isabel Teixeira. Elas vivem, respectivamente, as rainhas Elizabeth I, da Inglaterra, e Maria Stuart, da Escócia, que, depois de tentar sem-sucesso um golpe em seu país buscou refúgio em terras de sua irmã bastarda, Elizabeth I, mas é presa e condenada. Leia mais sobre " Rainha [(S)] "

A cobertura completa do Festival de Curitiba está disponível no Aplauso Brasil .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.