Tenho certeza que vamos comprovar a inocência dos dois , diz avô de Isabella - Brasil - iG" /

Tenho certeza que vamos comprovar a inocência dos dois , diz avô de Isabella

SÃO PAULO - O advogado Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, afirmou em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, que acredita na inocência do filho e da madrasta da menina, Anna Carolina Trotta Jatobá. ¿Tenho certeza que vamos comprovar a inocência dos dois¿.

Redação |

De acordo com Antônio Nardoni, sempre houve uma relação boa entre a mãe de Isabella e a madrasta. O pai ainda diz que acredita da versão do filho sobre o que possa ter acontecido na noite de 29 de março. Durante a reforma do apartamento nós vimos que é possível que alguém tenha entrado lá. A possibilidade de alguém ter entrado existe.

O promotor de Justiça que investiga o caso, Francisco José Taddei Cembranelli, afirmou que ainda não é possível apontar culpados sobre o caso. Ainda não foi possível chegar a uma conclusão. Estou aguardando outros laudos. Ainda não acuso o casal de nada. Não me interessa achar qualquer culpado, me interessa achar apenas o verdadeiro culpado.

A sociedade aguarda resposta e nós também aguardamos. As pericias que ainda serão reveladas são de capital importância, assim como alguns depoimentos que ainda vamos tomar. Só nos interessa a verdade , completou Cembranelli.

Sobre a possibilidade de interrogar um dos irmãos de Isabella, um menino de 3 anos, o promotor disse que não pretender tomar essa atitude. Eu não iria dispor a criança a uma situação como essa. Acho que essa medida drástica não deve ser tomada. A criança já deve estar sofrendo muito com o que aconteceu.

O advogado de defesa, Marco Pollo Levorin, se mostrou confiante na inocência do casal e afirmou que as provas apuradas até agora não podem apontar um autor para o crime. Estamos confiantes. Tanto que amanhã (segunda-feira) estamos impetrando um habeas-corpus . O conjunto de provas é muito frágil e ainda não podemos chegar a conclusões no caso.

Levorin também garantiu que seu cliente não declarou em depoimento que a porta havia sido arrombada e que comentou sobre marcas de sangue encontradas no apartamento. Gostaria de esclarecer que Alexandre não falou que houve arrombamento no apartamento, só que a porta estava trancada. No depoimento, ele também falou sobre a existência de gotas de sangue no apartamento.

Nós acreditamos no Alexandre a na Ana. Estamos trabalhando e aguardando as pericias que ainda precisam se feitas, completou.

Visita aos clientes

Os advogados de defesa confirmaram que entrarão com um pedido de habeas-corpus na segunda-feira para o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Trotta Jatobá.

Os advogados chegaram à 77ª Delegacia de Polícia de Santa Cecília, onde Alexandre Nardoni está preso, por volta das 12h30 e permaneceram por cerca de 40 minutos no local. Ao saírem, eles afirmaram que já prepararam o habeas-corpus, mas não quiseram falar sobre os argumentos que serão utilizados no pedido, já que o caso está sob sigilo de Justiça.

Depois da visita ao pai de Isabella, os dois foram à 89ª Delegacia de Polícia do Morumbi, onde está Anna Carolina. Os defensores chegaram às 14h40 e saíram às 15h05. Eles afirmaram que ela está bem e conversa com as outras presas normalmente. Os advogados levaram a Anna Carolina uma carta escrita por Alexandre.

Pela primeira vez desde que foi detida, Anna Carolina comeu a refeição servida na DP. Por ser domingo, segundo os funcionários da delegacia, foi servido frango. Os advogados levaram roupa limpa e material de higiene para ela.

O casal está detido desde a última quinta-feira. Eles se entregaram à polícia após terem tido a prisão temporária decretada.

Segundo de Justiça Francisco José Taddei Cembranelli, que investiga o caso, a prisão temporária foi pedida para fornecer uma tranqüilidade maior nas investigações e evitar que eles tenham contato com o local do crime ou com testemunhas. A prisão é válida por 30 dias e pode ser prorrogada por mais 30.

O caso

AE
Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Trotta Peixoto, estudante.

No sábado, foi encontrada morta no jardim do prédio do pai. A polícia descartou a hipótese de acidente e acredita que a garota tenha sido assassinada. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que há fortes indícios de que ela tenha sido jogada da janela do apartamento por alguém.

O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

Leia também:


Opinião

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG