Ilha do Medo , uma boa história mal contada - Brasil - iG" /

Ilha do Medo , uma boa história mal contada

Martin Scorsese é um excelente, um genial diretor, responsável por obras como O Touro Indomável, mas seu último trabalho, Ilha do Medo, não chega nem perto desse nível, assim como não se pode comparar Leonardo DiCaprio com Robert de Niro em seus melhores tempos.

EFE |

Baseado em um romance de Denis Lehane (autor também de "Sobre Meninos e Lobos"), a história é melhor que o filme. O problema é a atuação a adaptação à linguagem cinematográfica.

Estamos em 1952 e Edward Daniels (DiCaprio) é um policial judiciário que com o seu companheiro Chuck (Mark Ruffalo) vão a uma pequena ilha no litoral de Boston, que abriga um hospital psiquiátrico, de onde escapou uma interna acusada de assassinar seus três filhos.

Algo não encaixa na história desde o começo da investigação realizada pelos policiais e a partir daí Scorsese não para de deixar elementos mais ou menos contraditórios que deveriam ajudar a tecer a trama e prender o espectador.

A narração avança aos tropeções, carregada de cenas entre oscilam de oníricas a surrealistas que não se encaixam na história.

No meio do caminho entre um thiller e uma de terror psicológico, "Ilha do Medo" é herdeira de filmes anteriores - especialmente os de Hitchcock.

Também não há a presença de pesos pesados da interpretação como Max von Sydow e Ben Kingsley que ajudariam a tornar crível uma história que vai ficando previsível à medida que avança.

O que ameniza é a boa música e alguns movimentos de câmera em algumas ocasiões pretensiosas que se antecipam à ação.

Nem Emily Mortimer e Patricia Clarkson conseguiram passar nexo aos personagens, com aparições esporádicas que não acrescentam nada à ação.

Mas nem tudo é censurável em a "Ilha do Medo", o que é lógico quando se trata de uma produção de Scorsese. O asfixiante ambiente psiquiátrico no qual mergulha o personagem de DiCaprio são bons exemplos do que o nova-iorquino é capaz de fazer.

"Ilha do Medo" estreia nesta semana nos Estados Unidos, Espanha, Argentina e França e nas duas próximas semanas chegará aos cinemas de todo o mundo.

    Leia tudo sobre: martin scorsese

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG