As empresas precisam entender que as mulheres desejam mais tempo - Brasil - iG" /

As empresas precisam entender que as mulheres desejam mais tempo

As empresas precisam entender que as mulheres desejam mais tempo Por Vera Fiori São Paulo, 22 (AE) - Entrevista com Kate Sayre, uma das autoras de O Que As Mulheres Querem. Quais os maiores desafios da mulher contemporânea? KATE SAYRE - Nós fizemos exatamente essa pergunta durante a pesquisa mundial e a resposta foi clara: as mulheres anseiam por mais tempo.

Agência Estado |

Elas tentam encontrar, na sua agenda atribulada, mais tempo para cuidar de si mesmas e das questões familiares.

Qual seria o grande denominador comum a todas as mulheres ouvidas, em termos de queixas, anseios, valores?

KATE SAYRE - Não terem tempo suficiente para fazerem tudo de que precisam, mas de que gostariam de fazer, sem dúvida, é o denominador comum. A maioria trabalha, mas também tem muitas responsabilidades em casa e com a família. Como o nível de educação das mulheres aumentou, elas estão assumindo cargos e tarefas mais complexas no trabalho, mas suas demandas fora do ambiente corporativo não diminuíram na mesma proporção, o que gera esse impasse. Conexão é uma questão importante para as mulheres e elas querem ter mais tempo para passar com a família e amigos, bem como mais tempo para si próprias.

Como as empresas deveriam se posicionar para melhor atendê-las? E quais são as maiores falhas nesse quesito?

KATE SAYRE - As empresas precisam entender que as mulheres desejam mais tempo. Desta forma, devem encontrar maneiras de ajudá-las a otimizá-lo, seja por meio de um design superior de seus produtos ou facilitando o processo de compra. A maior falha é oferecer um produto mal projetado ou simplesmente pintá-lo de rosa para atender às mulheres.

Homens e mulheres se relacionam de maneiras diferentes em relação ao dinheiro?

KATE SAYRE - Para as mulheres, dinheiro representa flexibilidade e liberdade. Como elas ganham mais dinheiro, estão dispostas a pagar por produtos e serviços que as façam "ganhar tempo". Os homens são mais propensos a igualar o dinheiro a status e realização.

O mesmo sistema que possibilitou a emancipação não seria impiedoso ao pressionar a mulher o tempo todo, sem lhe oferecer alternativas para viver menos estressada?

KATE SAYRE - Embora as mulheres tenham de se desdobrar para atender às muitas demandas, em algumas áreas as coisas estão ficando melhores. As compras online, por exemplo, oferecem mais comodidade e flexibilidade para elas, assim como o pagamento de contas pela internet (as mulheres são as responsáveis pelo pagamento das contas em 54% das famílias globalmente).

Segundo a pesquisa, os pets (42%) fazem as mulheres mais felizes do que o sexo (27%). Há algo estranho acontecendo com a libido feminina? Será o estresse ?

KATE SAYRE - A satisfação das mulheres com suas vidas sexuais varia. Em geral, as que são casadas ou estão em um relacionamento estável são mais felizes do que as solteiras. Portanto, há uma gama mais ampla de respostas. Em contrapartida, quase todas as mulheres que possuem animais de estimação encontram neles uma grande fonte de felicidade. Um animal de estimação adora seu dono e exige um tempo mínimo de atenção.

Considerando que as mulheres respondem por mais de 70% do consumo em todo o mundo, elas são a lenha do capitalismo. Afinal, isso é bom ou é ruim?

KATE SAYRE - As mulheres são consumidoras muito habilidosas e são incansáveis na procura por melhores maneiras e condições de gastar o seu suado dinheiro. São uma força, um impulso para melhorar a qualidade e o valor dos produtos e serviços, porque simplesmente não vão pagar por aqueles que não oferecem isso. Globalmente, estão propensas a pagar mais por alimentos se perceberem aí um ganho de qualidade, já que são altamente preocupadas com a saúde e bem-estar de si próprias e das suas famílias.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG