SÃO PAULO ¿ Um jovem casal em crise e a um passo da separação tem muito o que conversar na comédia dramática Apenas o Fim, que estreia quinta-feira em São Paulo e no Rio, depois de uma bem-sucedida passagem pelos Festivais do Rio e a Mostra de São Paulo em 2008 ¿ em ambos, vencendo o prêmio do público.

"Apenas o Fim" é um filme feito por estudantes de cinema de uma universidade carioca. O baixo orçamento, no entanto, não é obstáculo. Pelo contrário, é o que dá energia para o roteirista e diretor Matheus Souza encontrar soluções criativas. O grande trunfo do longa é saber exatamente onde estão as suas limitações e ir para o lado oposto, investindo em diálogos bem-sacados, humor e no elenco.

Em cena, basicamente, estão apenas Érika Mader e Gregório Duvivier - que já haviam trabalhado juntos em "Podecrer!" (2007). Eles formam um casal de universitários em crise. Na verdade, ela diz que vai abandoná-lo e sair em busca de algo que a complete, embora ele insista para que ela fique. Antes dessa despedida, o rapaz tem uma hora para tentar a última conversa.

"Apenas o Fim" é isso, a última conversa desse casalzinho a um passo de deixar de existir. Os dois andam pelo campus da faculdade onde estudam e relembram a relação que tanto os transformou. Entre um diálogo e outro, surgem na tela, em preto e branco, conversas passadas do casal.

Se as comédias de Woody Allen e Domingos Oliveira são uma referência para "Apenas o Fim", os primos de primeiro grau do longa, na verdade, são "Antes do Amanhecer" (1995) "Antes do Pôr-do-Sol" (2005), ambos de Richard Linklater ¿ nos quais um casal conversa sobre o seu relacionamento e o mundo que os cerca, pelas ruas de Viena e Paris, respectivamente.

"Apenas o Fim" comunica-se mais facilmente com um público jovem, que terá, em princípio, mais referências para entender uma discussão envolvendo Pokémons, Vovó Mafalda e Super Mario Bros ("Ridículo é controlar uma dupla de encanadores fofinhos", diz o rapaz provocando a ex-namorada).

Mas, ao falar das dores e alegrias de amar e perder, o enredo acaba extrapolando a barreira da idade e dialogando com todos os públicos. Frases de efeito abundam ao longo de "Apenas o Fim", mas nenhuma delas soa forçada.

A câmera solta acompanhando os personagens e a luz natural dão uma leveza ao filme, cujo humor serve como disfarce para a profunda melancolia da história ¿ afinal, essa é a crônica de um fim de caso. O único porém está nas trucagens na imagem ¿ como uma TV fora do ar ¿ para anunciar que o passado entra em cena. São artifícios desnecessários que destoam do restante do filme. As cenas podiam muito bem acontecer sem esse recurso.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.