SÃO PAULO ¿ O Festival de Paulínia de cinema, que acontece no interior de São Paulo, inaugura nesta quinta-feira (09) sua segunda edição, com a exibição fora de concurso de À Deriva, de Heitor Dhalia, que participou da mostra Um Certo Olhar no último Festival de Cannes.

Divulgação

Exibido fora de competição, "À Deriva", de Heitor Dahlia, abre Festival de Paulínia

Na outra ponta, no dia 16, também fora de competição, Daniel Filho encerra o evento com um filme inédito, "Tempos de Paz", para mostrar que a mostra tem espírito democrático, com espaço para qualquer cinematografia ¿ se Dhalia representa o que há de alternativo no cinema brasileiro, Daniel, responsável pelo fenômeno de bilheteria "Se Eu Fosse Você", encarna o que existe de comercial.

Em ascensão no cenário de festivais no País, Paulínia chama a atenção pela recompensa polpuda: R$ 650 mil distribuídos em prêmios, valor sem paralelo em eventos similares. Aliada à janela do mais novo polo cinematográfico nacional, a comissão organizadora do festival, encabeçado pelo crítico Rubens Ewald Filho, tem conseguido trazer obras representativas, como "No Meu Lugar", de Eduardo Valente, também exibido em Cannes, e "Enquanto Dura o Amor", de Roberto Moreira ("Contra Todos").

Prova do poder de atração do festival é a presença do longa de estreia de Ana Luiza Azevedo, "Antes que o Mundo Acabe". Sócia da Casa de Cinema de Porto Alegre, "casa" de Jorge Furtado e Carlos Gerbase, Ana Luiza, curta-metragista premiada, abriu mão de estrear seu filme em Gramado para levá-lo a Paulínia. Completam a competição de ficção "O Contador de Histórias", de Luiz Villaça, "Destino", de Moacyr Góes,  e "Olhos Azuis", de José Joffily.

Entre os documentários, nomes consagrados no formato, como Eduardo Coutinho, e candidatos a sucesso entre o público, caso da cinebiografia do grupo Mamonas Assassinas. Na lista completa de concorrentes estão "Caro Francis", de Nelson Hoineff, "Mamonas, o Doc", de Claudio Kans, "Sentido à Flor da Pele", de Evaldo Mocarzel, "Moscou", de Eduardo Coutinho, "Só Dez por Cento É Mentira", de Pedro César e Herbert de Perto, de Roberto Berliner e Pedro Bronz. Ainda disputam os prêmios seis curtas-metragens brasileiros e seis curtas regionais.

Leia mais sobre: Festival de Paulínia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.