Quinze ministros deixam governo até abril. Saiba quem fica e quem sai para concorrer nas eleições

O ano de 2010 não será diferente dos outros anos eleitorais em pelo menos um aspecto. Antes da desincompatibilização, todo dia 2 de abril em ano eleitoral, muitos ministros de Estado deixam suas pastas para concorrer nas eleições. No governo Luiz Inácio Lula da Silva não será diferente. Em levantamento preparado pelo iG, descobriu-se que pelo menos 15 deles engordarão a lista das urnas eleitorais. A principal delas, obviamente, é a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata do PT à Presidência. Mas a lista continua pela Esplanada dos Ministérios em Brasília.

Matheus Leitão e Lucas Ferraz, iG Brasília |

A última reforma ministerial do governo Lula, antes mesmo de acontecer, já começou a gerar reclamações da oposição. É um governo a serviço da causa eleitoral. Esta na cara. Mas isso é condenável?, pergunta o senador José Agripino Maia (DEM-RN). O processo democrático pressupõe isso. A função publica é assim ¿ a pessoa ocupa um cargo e depois é candidato. Mas é um pouco demais no governo Lula. O percentual de candidatos no governo é muito alto, a postura do alto escalão deixa claro isso, completa.

O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) também vê problemas na grande mudança dos ministros antes da desincompatibilização. O que mais prejudica na verdade não é só a reforma atual, mas aquele ministro agindo em função de projetos pessoais. O governo fica refém de interesses regionais, diz. No Maranhão, há muita propaganda do ministério das Minas e Energia, do ministro Edson Lobão, onde ele é candidato. O ministro Tarso Genro e suas viagens em jatos da FAB para o Rio Grande do Sul também mostram isso. A reforma atual, claro, gera uma quebra de continuidade. Mas é preciso olhar o todo ¿ os três anos e meio, afirma.

Para o presidente eleito do PT, José Eduardo Dutra, a troca de ministros no governo Lula, em função das eleições, não pode ser considerada uma reforma ministerial. É apenas uma substituição, não uma reforma por necessidade de mudança. E quanto mais natural ela for, melhor para o governo, diz ele, que assume a direção do Partido dos Trabalhadores na segunda metade de fevereiro.

Dutra afirma que o caminho natural em alguns ministérios é a substituição pelo secretário-executivo, que já conhece a estrutura e o funcionamento da pasta. Mas quem indica é o presidente, é ele quem decide. Lula, inclusive, já declarou, no ano passado, ser favorável que os secretários-executivos assumam os ministérios cujos titulares serão candidatos neste ano.

Leia mais sobre: Eleições 2010 - ministros

    Leia tudo sobre: eleições 2010ministro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG