O Secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, disse que, antes de baixar um decreto regulamentando a atividades das organizações não-governamentais estrangeiras no País, governo deve submeter o assunto à consulta pública, divulgou a Agência Brasil. O ministro (da Justiça, Tarso Genro) deve solicitar que o decreto seja colocado para consulta pública para que a sociedade possa também contribuir.

" Segundo o secretário, as medidas irão viabilizar um controle nunca feito no Brasil sobre o desvio de finalidades das ONGs.

O ministério divulgou em seu site, em 29 de maio de 2006, que "ONGs estrangeiras, sem fins lucrativos, não precisam de autorização". A nota lembrava que a Constituição Federal determina, em seu Artigo 5º, que "a criação de associações e cooperativas independe de autorização, sendo vedada a interferência estatal".

Segundo o secretário, "não há nada na portaria e tão menos no decreto que impeça o direito de livre associação", mas que "o que o Estado está fazendo, por meio do Ministério da Justiça, é impor condições para que as organizações estabelecidas na forma da lei possam ou não acessar alguma área de interesse nacional", como áreas ambientalmente protegidas, terras indígenas e zonas de fronteira.

"É livre o direito de associação, isso é indiscutível. Mas é livre o direito de o Estado requerer ou solicitar que alguém para atuar em uma área de interesse nacional abra suas contas de forma pública", acrescentou Romeu Tuma Júnior.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.