Quércia diz que acordo PT-PMDB não passa em convenção

SÃO PAULO (Reuters) - Aliado do governador José Serra (PSDB-SP), o presidente do PMDB-SP, Orestes Quércia, desafiou o acordo firmado entre seu partido e o PT para as eleições de 2010. Ele disse nesta quarta-feira que o pacto não será chancelado pela convenção do PMDB no ano que vem. Não foi o PMDB, foi um grupo dentro do PMDB que tomou a decisão do acordo, disse Quércia à Reuters, indicando o presidente da legenda, deputado Michel Temer (SP); o presidente do Senado, José Sarney (AP); e o senador Renan Calheiros (AL).

Reuters |

O ex-governador paulista acusou as lideranças de seu partido de anunciarem o fechamento da união como forma de pressionar os diretórios estaduais.

"Fugiram do diálogo. Eles não vão conseguir passar na convenção porque não terão maioria", afirmou. As convenções dos partidos, que definem as candidaturas e as coligações, serão realizadas em junho do próximo ano para as eleições de outubro.

PT e PMDB anunciaram na terça-feira um pré-compromisso de apoio à candidatura presidencial da ministra Dilma Rousseff, em que caberá aos peemedebistas a indicação da vice na chapa.

A posição do ex-governador, que defende o apoio do PMDB à provável candidatura de Serra, ainda é minoria na legenda. O próprio Quércia admite que, além do diretório de São Paulo, apenas Pernambuco e Santa Catarina estariam contra o acordo com o PT. Ele afirmou que vem conversando com peemedebistas de outros Estados para atrair aliados à candidatura Serra.

(Reportagem de Carmen Munari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG