Os fortes ventos derrubaram na segunda-feira 60 árvores na capital paulista. Trata-se do maior número registrado num único dia neste ano, segundo a Defesa Civil.

Desde janeiro, houve 433 quedas na cidade, o que ultrapassa todo o ano passado, quando 173 árvores caíram - além de 2007, quando houve o registro de 242. O coordenador das Áreas Verdes da Secretaria das Subprefeituras de São Paulo, André Graziano, atribuiu o aumento aos temporais deste semestre.

“Até este ano, tinha dado excelentes resultados a poda preventiva. Agora, todos os números ficaram embaralhados. Os temporais acabaram com a logística de prevenção.” Outras causas das quedas são a poda irregular, o apodrecimento das raízes por falta de água e ar, em razão da impermeabilização do solo, e o ataque de insetos e cupins. Segundo Graziano, o tratamento de pragas requer a aplicação de pesticidas, prática ainda inviável em áreas de grande densidade populacional. Na segunda-feira, três bairros concentraram a maioria das quedas de árvores: Santo Amaro, Pinheiros e Pirituba.

No próximo mês, a Prefeitura pretende iniciar o cadastro das árvores existentes na cidade. Inicialmente, o projeto deverá abranger apenas algumas regiões. Graziano explicou que a ideia é criar um banco de dados, que permitirá o acompanhamento da condição das árvores. O coordenador de Áreas Verdes ainda ressaltou que a contratação de engenheiros agrônomos aprovados num concurso realizado em 2007 deverá ser concluída em breve. Com isso, pretende-se reduzir o tempo para execução de podas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.