Quatro testemunhas prestam depoimento neste sábado

A delegada assistente Renata Pontes, do 9º Distrito Policial de São Paulo, que apura o caso Isabella, deve ouvir hoje mais dois depoimentos. Hoje à tarde um casal de vizinhos de Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Trotta Jatobá, pai e madrasta de Isabella Nardoni, foi ouvido durante cerca de 40 minutos.

Redação com Agência Estado |

  • Casal teria brigado antes de morte de Isabella
  • Libertação de casal não afeta investigações, diz delegada
  • Justiça concede pedido de habeas-corpus ao casal
  • Veja a íntegra do habeas-corpus
  • A defesa: Em cartas, casal diz que é inocente
  • Alberto Dines: Um caso para não esquecer
  • Eles não foram identificados nem falaram com a imprensa. Isabella Nardoni, de 5 anos, morreu no dia 29 de março, após ser jogada do apartamento do pai, no 6º andar do edifício London, na zona norte de São Paulo.

    Os quatro ou cinco depoimentos previstos para amanhã (13) à tarde, na delegacia do Carandiru, devem começar às 15h. Até agora foram tomados 47 depoimentos. Alexandre e Anna Carolina estão na casa da família Nardoni, também na zona norte da cidade, para onde foram após serem libertados ontem (11). Eles ficaram nove dias na prisão.

    O caso

    AE
    Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Trotta Peixoto.

    No sábado, dia 29 de março, a garota foi encontrada morta no jardim do prédio em que o pai mora. A polícia descartou desde o princípio a hipótese de acidente. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que Isabella foi jogada da janela do apartamento por alguém.

    O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

    O pai teria alegado à polícia que um homem invadiu o seu apartamento. Ele e Anna Carolina afirmam ser inocentes e, por meio de cartas, disseram esperar que "a justiça seja feita".

    (*Com informações de Ana Freitas, Juliana Simon, Silvia Melo e Gregório Russo)

    Leia também:

    Opinião

    Leia mais sobre: caso Isabella

      Leia tudo sobre: isabella

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG