Movimento é contra a paralisação do processo de reforma agrária no Estado, determinado pela Justiça Federal

selo

Quase 2 mil sem-terra bloqueiam desde 6h de hoje cinco rodovias em Mato Grosso do Sul, três federais e duas estaduais. O movimento é contra a paralisação do processo de reforma agrária no Estado, determinado pela Justiça Federal, com base em levantamento feito pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre irregularidades cometidas pelos assentados. Entre as irregularidades estão a compra e venda de terrenos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Circular expedida pela presidência do Incra em Brasília impede desde outubro do ano passado toda e qualquer movimentação financeira da superintendência de Mato Grosso do Sul. A determinação será suspensa somente depois do esclarecimento total dos casos de corrupção e desvio de verbas envolvendo funcionários do órgão e líderes dos sem-terra. Serão investigadas cerca de 14 mil famílias assentadas pelo Incra no Estado.

Participam dos bloqueios o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Federação dos Trabalhadores na Agricultura e Central Única de Trabalhadores Rurais. A reivindicação mais urgente dos manifestantes é o fornecimento de castas básicas nos acampamentos instalados em 47 localidades do Estado, principalmente na região sul, onde na sexta-feira passada os acampados de Itaquiraí saquearam 15 toneladas de alimentos que seriam entregues no comércio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.