Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 CURITIBA - Quartos de hoteis e pensões no centro de Curitiba são agora os alvos da Polícia Civil para conseguir novas provas que ajudem a desvendar o assassinato da menina Rachel Genofre, de 9 anos. Segundo o delegado chefe do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Miguel Stadler, os policiais querem descobrir para onde Rachel foi levada pelo assassino no dia do crime, antes de ser morta. " / Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 CURITIBA - Quartos de hoteis e pensões no centro de Curitiba são agora os alvos da Polícia Civil para conseguir novas provas que ajudem a desvendar o assassinato da menina Rachel Genofre, de 9 anos. Segundo o delegado chefe do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Miguel Stadler, os policiais querem descobrir para onde Rachel foi levada pelo assassino no dia do crime, antes de ser morta. " /

Quartos de hoteis podem ajudar a desvendar assassinato de menina no Paraná

http://educacao.ig.com.br/acordo_ortografico/Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 CURITIBA - Quartos de hoteis e pensões no centro de Curitiba são agora os alvos da Polícia Civil para conseguir novas provas que ajudem a desvendar o assassinato da menina Rachel Genofre, de 9 anos. Segundo o delegado chefe do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Miguel Stadler, os policiais querem descobrir para onde Rachel foi levada pelo assassino no dia do crime, antes de ser morta.

Redação |

- Reprodução
Foto de Rachel no Orkut
Estamos com linhas de investigação que precisam ser reforçadas. Mas volto a informar que os detalhes não serão divulgados para não atrapalhar as investigações, disse o delegado.

Na tarde desta quarta-feira, a Polícia Civil também recebeu o laudo oficial do Instituto de Criminalística que descarta a possibilidade do ex-presidiário preso Jorge Luiz Pedroso Cunha, de 52 anos, e do primeiro suspeito interrogado serem os assassinos da menina Rachel.

Um laudo preliminar foi divulgado na terça (11) já apontava com 99% de certeza que os dois suspeitos não seriam os responsáveis pela morte da menina. A contra-prova foi emitida nesta quarta, pelo Instituto de Criminalística e desta vez o resultado foi concluído com 100% de certeza.

É importante ressaltar que mesmo o laudo tendo descartado a possibilidade destes dois suspeitos, a divulgação da foto do Jorge foi importante, porque através dela conseguimos encontrá-lo e cumprir o mandado de prisão que estava emitido contra ele pelo crime de atentado violento ao pudor que ele teria cometido contra uma criança no litoral, explicou o delegado.

Os policiais envolvidos na investigação também estão conversando com familiares e pessoas próximas da menina para tentar levantar outras pistas. A família da Rachel e a sociedade podem ter certeza que não estamos medindo esforços para encontrar o responsável por este crime bárbaro, finalizou o delegado.

O crime

A menina Rachel Maria Lobo Genofre, 9 anos, desapareceu no dia 3 de novembro após sair da escola onde estudava, em Curitiba. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, dentro de uma mala abandonada num local próximo da Rodoferroviária de Curitiba. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) do Paraná indicou que a criança sofreu violência sexual e a morte ocorreu por asfixia.

Leia mais sobre: violência

    Leia tudo sobre: violência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG