Quadro de Jesus em orgia com apóstolos é exposto na Catedral de Viena

Luis Lidón Lehnhoff Viena, 8 abr (EFE) - Um quadro com a imagem de um Jesus imerso em uma orgia homossexual com os doze apóstolos, pintado por um artista ateu e exposto no museu da Catedral de Viena, causou tamanha indignação que precisou ser retirado da mostra da qual fazia parte.

EFE |

O local mais destacado da exposição "Religião, carne e poder" era para a polêmica obra "A última ceia", do austríaco Alfred Hrdlicka, na qual o artista expõe sua particular visão orgiástica dessa passagem bíblica.

Na cena representada em preto e branco, os apóstolos aparecem se tocando e masturbando uns aos outros com sinais de ter bebido um pouco além da conta.

"A pergunta de por que os apóstolos transam é recebida sempre de uma forma mais ou menos emotiva", disse o diretor do museu, Bernhard Böhler, ao inaugurar, em meados de março, a exposição dedicada às obras de temática religiosa do multifacetado artista, de 80 anos.

A única resposta dada por Hrdlicka, declarado marxista e ateu, é a de que "não havia mulheres", pelo que Jesus e os apóstolos deviam aplacar seu desejo sexual por outros meios.

"Já Leonardo (da Vinci) tinha a opinião de que o círculo dos apóstolos se mantinha unido graças à erótica homossexual", afirmou o artista, conhecido também por suas esculturas.

A exposição de cerca de 50 obras é, de acordo com o pintor, uma reflexão de que todo o poder, tanto na arte como na religião, provém da carne.

Outro quadro que gerou polêmica na mostra da Catedral vienesa era o da Crucificação, no qual Jesus aparecia sem rosto, mas com um pênis bem visível.

"Não quero me vangloriar, mas uma crucificação melhor que esta quase ninguém fez", ressaltou Hrdlicka, autor do "Monumento contra a guerra e o fascismo", em frente à casa onde o fuhrer Adolf Hitler nasceu.

Tanto o diretor do museu quanto o cardeal de Viena, Christoph Schönborn, próximo ao papa Bento XVI, são muito criticados por ter permitido que obras "sacrílegas" sejam exibidas nas instalações da principal catedral do país.

Com a intensificação das críticas, o museu retirou "A última ceia" uma semana depois da inauguração da mostra, mas isso não parece satisfazer aos críticos.

As revistas católicas como a "Kreuz" pedem que o cardeal assuma suas responsabilidades de expor um artista "stalinista".

"Parece mais fácil para o cardeal que Jesus seja humilhado nesse museu escandaloso do que assumir que errou", criticou um leitor irritado na revista.

"A Sociedade Austríaca para a proteção da tradição, da família, e da propriedade privada", distribuiu panfletos e convocou um protesto contra a exposição.

Erich Leitenberger, porta-voz do cardeal, tentou aplacar os ânimos explicando que se tratam de obras de um artista independente e que o museu da Catedral não se identifica automaticamente com elas.

Hrdlicka, por sua parte, assegurou que se sente mais cristão do que marxista em sua criação artística e que a Bíblia é uma fonte de inspiração para ele.

    Leia tudo sobre: religião

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG