Em busca de tornar sua pré-candidata à Presidência da República mais conhecida, o Partido Verde (PV) vai formatar uma estratégia de exposição da senadora Marina Silva (AC) em todo o País. O assunto será tema de reunião do comitê de campanha na segunda-feira, em São Paulo.

"Há um número grande de pedidos para que a senadora participe de eventos, queremos fazer uma agenda mais organizada", afirma Luciano Zica, responsável pela definição dos compromissos da senadora.

De acordo com pesquisa do Ibope para a Associação Comercial de São Paulo, divulgada ontem, Marina é a pré-candidata menos conhecida entre os eleitores: 31% deles disseram nunca ter ouvido falar da senadora.

"Vamos montar uma agenda de viagens e eventos para melhorar a exposição dela", explica o vereador carioca Alfredo Sirkis, coordenador geral da pré-campanha de Marina.

Sirkis considerou positiva a elevação das intenções de voto na senadora (de 6%, em dezembro, para 8% em fevereiro) e credita o alto índice de desconhecimento sobre a pré-candidata à sua menor exposição na mídia.

O Ibope fez o levantamento entre os dias 6 e 9 deste mês, pouco depois da propaganda nacional do partido em TV e rádio, veiculada no dia 4. "Dilma e Serra ocupam naturalmente o noticiário com suas inaugurações e polêmicas. A comparação com outros pré-candidatos não é equilibrada", reclamou.

Luciano Zica espera que até o meio da próxima semana a agenda de Marina esteja definida. A partir do início de março ela iniciará uma série de viagens de final de semana, começando pelas cidades mais importantes da região Sul. Depois, será a vez do Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

Nessa primeira fase, ela se reunirá com formadores de opinião, universitários e representantes de movimentos sociais. "Marina já tem uma posição consolidada entre eleitores de formação superior", acredita Zica. Depois, a pré-campanha vai se concentrar em uma agenda mais intensa focando eleitores de menor renda.

Os eleitores estão bem mais familiarizados com os outros postulantes à Presidência, segundo o Ibope. A ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT, é desconhecida por 10% dos eleitores, seguida por Ciro Gomes, com 4%. O mais bem colocado é o governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Apenas 1% dos eleitores nunca ouviram falar do tucano.

Desinteresse

Além de aferir o desconhecimento dos eleitores a respeito dos pré-candidatos, o Ibope mostrou que quase metade deles não está interessada nas eleições presidenciais - uma outra frente que terá de ser trabalhada pelos comitês de campanha. A pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados têm pouco (26%) ou nenhum (21%) interesse pelo pleito.

Esses porcentuais não mudam muito conforme idade e região do País. Mas, com relação à renda, as famílias mais pobres são as menos interessadas. Entre aquelas com renda até 1 salário mínimo, 54% têm pouco ou nenhum interesse. O porcentual baixa para 50% nas famílias que ganham de 1 a 2 salários; 48%, com 2 a 5 salários; e 31%, com 5 a 10 salários. Na faixa de famílias que ganham acima de 10 salários, 28% não estão interessados em quem será o próximo presidente do País.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.