Público é foco de novo filme de Abbas Kiarostami em Veneza

VENEZA ¿ O novo trabalho do iraniano Abbas Kiarostami, Shirin, exibido na seção fora de concurso da 65ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, inova ao levar para a tela, durante 90 minutos, mais de cem atrizes iranianas (a única exceção é a francesa Juliette Binoche) fazem o papel de espectadoras da peça teatral Khosrow e Shirin, baseada no poema persa de mesmo nome adaptado pelo próprio Kiarostami.

Agência Ansa |

Abbas Kiarostami e Juliette Binoche, juntos em 
"Shirin", exibido fora de competição / Getty Images

Mas as atrizes, na verdade, não assistiam à peça, segundo o diretor. "Elas estavam diante de uma tela branca com alguns pontos negros sobre os quais deveriam concentrar-se, pensando em alguma coisa que aconteceu com elas, algo bom ou mau. Enquanto isso, eu me divertia imaginando o que pensavam", explicou ele, que considera a produção a "mais cinematográfica" de sua carreira.

Para Kiarostami, este é um filme sobre o público. "Não existe espetáculo sem público, é o público que carrega consigo a imagem do espetáculo quando se apagam as luzes", disse.

O diretor esclareceu ainda o porquê da participação da atriz francesa Binoche. "Ela participou do filme somente porque estava de passagem por Teerã (capital do Irã), e impôs a condição de não utilizar seu nome para fazer publicidade do filme", revelou.

Leia mais sobre: Abbas Kiarostami , Festival de Veneza

    Leia tudo sobre: abbas kiarostamifestival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG