Os principais grupos do PT se anteciparam ao prazo estatutário e já definiram seus candidatos para a disputa, que ocorrerá em novembro, pela presidência nacional da sigla. Nos últimos dois dias, enquanto o Diretório Nacional petista esteve reunido na capital paulista, as correntes internas comandaram encontros paralelos para bater o martelo nos nomes que pretendem lançar na eleição.

Se não houver surpresas até o dia 25 de julho, data final para o registro das chapas, cinco candidatos disputarão o comando.

Já confirmado para representar a corrente Construindo um Novo Brasil - grupo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do atual presidente Ricardo Berzoini (SP) -, o ex-senador José Eduardo Dutra reuniu-se ontem com duas correntes para selar o apoio. Pela manhã, conversou com a coordenação do grupo Novo Rumo para o PT, composto basicamente de parlamentares ligados à ex-ministra Marta Suplicy. Mais tarde, recebeu o endosso da corrente PT de Luta e de Massa, integrada por nomes como o deputado Jilmar Tatto (SP).

A Construindo um Novo Brasil fracassou na tentativa de unificar o partido em torno do nome de Dutra. O secretário-geral do PT, deputado José Eduardo Martins Cardozo, chegou à reunião do Diretório Nacional reafirmando sua candidatura ao comando partidário. Já esperada, a entrada de seu nome na disputa foi confirmada no dia anterior, em encontro da coordenação nacional da corrente. "Nós dialogamos com outras forças, mas preferimos ter candidato próprio", disse Cardozo.

O grupo Movimento PT também optou pela candidatura própria, segundo o secretário de Assuntos Institucionais, Romênio Pereira. A corrente, à qual pertence o ex-presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (SP), confirmou ontem a escolha do deputado Geraldo Magela (DF) para a vaga. A quarta candidatura já definida é a da deputada Iriny Lopes (ES), ligada à corrente Articulação de Esquerda. Além disso, o membro do Diretório Nacional, Markus Sokol, do grupo O Trabalho, também confirmou sua participação na eleição. Dutra procurou se mostrar otimista. Disse que ainda tem até o dia 25 de julho para buscar apoio e não desistiu de atrair o Movimento PT. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.