A 14 dias das eleições municipais, o Partido dos Trabalhadores (PT) vislumbra um cenário favorável no Grande ABC (SP), berço do partido, com grandes chances de vitória em pelo menos quatro cidades da região. Em Santo André, onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já participou de comício, o candidato a prefeito Vanderlei Siraque é líder nas pesquisas.

Em São Bernardo do Campo, o candidato Luiz Marinho disputa a liderança com o adversário Orlando Morando (PSDB), com o qual está empatado tecnicamente. O PT de Diadema aparece com o deputado estadual Mario Reali um pouco à frente do concorrente José Augusto da Silva Ramos (PSDB). Em Mauá, os petistas ocupam a dianteira com o ex-prefeito Oswaldo Dias na liderança isolada.

O cientista político Nilton César Tristão, sócio-proprietário do Instituto Opinião, afirma que fatores como as gestões atuais e anteriores da legenda na região e a presença de Lula na campanha local cooperam com esse panorama.

Para Tristão, a liderança da sigla em Santo André é mantida desde o último mandato do prefeito Celso Daniel, vítima de um seqüestro em 18 de janeiro de 2002. Após dois dias, o cadáver de Daniel foi achado numa estrada em Juquitiba (a 78 quilômetros da capital paulista), com sete perfurações de bala. Vitrine da agremiação na época em que era prefeito, ele tinha boa avaliação e parece ter deixado para o atual prefeito, João Avamileno (PT), e Siraque parte da "densidade eleitoral" da qual era dono. Atrás de Siraque, que tinha 33% nas intenções de voto no último Ibope, do dia 31 de agosto, vem o ex-prefeito Newton da Costa Brandão (PTB), com 15%.

Em São Bernardo, onde o prefeito é William Dib (PSB), um opositor do PT, há uma curva ascendente muito favorável a Marinho, que leva junto na campanha o fato de ter sido ministro do Trabalho e Emprego de Lula. No município, segundo Tristão, a tendência aponta para o segundo turno. "Tudo indica que a disputa em São Bernardo será entre PT e PSDB, com vantagem para Marinho, pois Lula vem consolidar na cidade as forças que o PT possui - ele mora e vota na cidade, tem altíssima aprovação lá e colocou São Bernardo como questão de honra", diz o cientista.

Dias, líder em Mauá com 44% das intenções, está numa situação mais confortável que Marinho, pois foi prefeito do município por duas vezes. Além disso, diz Tristão, terminou o segundo mandato com boa avaliação. Dias, candidato da Coligação PT-PRB, pode disputar o segundo turno ou com o candidato Francisco Carneiro (PSB), mais conhecido como "Chiquinho do Zaíra", ou com Diniz Lopes (PSDB), que estão tecnicamente empatados.

Diadema, que fez o primeiro prefeito operário do País, Gilson Menezes, na época no PT, tem na disputa pelo segundo turno um petista, o deputado Reali, e um ex-petista que virou tucano, José Augusto da Silva Ramos. Enquanto Reali tinha 40% no último levantamento do Ibope, o tucano estava com 35%. Hoje, o PT administra a cidade, com o prefeito José de Filippi Júnior.

Outras cidades

Nas demais cidades da região, o partido tem poucas chances de virar o jogo, na análise do sócio-proprietário do Instituto Opinião, apesar de o fator surpresa estar sempre presente no Grande ABC. Em São Caetano do Sul, a liderança isolada é do prefeito José Auricchio Jr. (PTB), candidato à reeleição, que ocupa a liderança isolada, com 72% na última sondagem, seguido pelo advogado Horácio Neto (PSOL), com 5% das intenções. O PT nunca administrou a cidade.

Ribeirão Pires tem o prefeito Clóvis Volpi (PV), candidato à reeleição, na liderança sem concorrência, com 59% dos votos, contra o ex-prefeito Valdírio Prisco (PSDB), que estava com 13%. A cidade já foi dirigida pelo PT, com a ex-prefeita Maria Inês Soares, que não fez o sucessor.

Em Rio Grande da Serra, o prefeito tucano Adler Teixeira, conhecido como "Kiko", ocupava a liderança confortável, com 69%, contra 13% do candidato Carlos Augusto César (PT), o "Cafu". O município também teve uma gestão petista, com o ex-prefeito Ramon Velasquez.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.