PT rejeita menção ao PMDB em texto sobre campanha de Dilma

Os 1.300 delegados do 4º Congresso Nacional do PT rejeitaram em peso uma menção explícita ao PMDB na resolução sobre estratégia eleitoral e política de alianças para a campanha de Dilma Rousseff.

Ricardo Galhardo, enviado a Brasília |

A proposta, que partiu de parte do grupo majoritário formada por setores da corrente Construindo um Novo Brasil e Novos Rumos, previa uma mudança no texto base, que fala apenas na prioridade em "fortalecer um bloco de esquerda e progressista" e "agregar forças políticas de centro". Não há menção direta ao PMDB nem qualquer outro partido aliado.

Com o objetivo de fazer um afago no PMDB depois de uma série de trombadas quanto a questões estaduais e à escolha do vice de Dilma, queriam aprovar uma emenda alterando o texto para: "manter a coesão das forças políticas, econômicas e sociais que integram a atual base do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, particularmente o PMDB".

Com isso, esperavam agradar tanto aos peemedebistas como a setores do empresariado que apoiam o governo.

A emenda foi defendida no plenário pelos deputados José Genoino e Carlos Zaratini. Mas o presidente do partido, Ricardo Berzoini, conseguiu reverter a situação ao defender a manutenção do texto base. Ele argumentou que o texto não deveria fazer menção direta a qualquer partido. O PT não quer melindrar outros aliados como o PSB, do deputado Ciro Gomes.

O resultado foi uma vitória esmagadora da tese defendida por Berzoini.

    Leia tudo sobre: congresso do ptpt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG