PT de Minas contraria cúpula e aprova aliança com PSDB em BH

BRASÍLIA - O diretório estadual do PT em Minas Gerais aprovou, pelo placar apertado de 29 votos a 26 contrários, a aliança do partido com o PSDB na eleição para prefeito de Belo Horizonte. Com o resultado, os petistas de BH, liderados pelo prefeito Fernando Pimentel, aumentam a pressão sobre a executiva nacional do PT, que há três semanas vetou a aliança e voltará a apreciar o caso no dia 26.

Rodrigo Ledo ¿ Último Segundo/Santafé Idéias |

Antes da votação, o presidente do diretório estadual, deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), já adiantava que a tendência era pela aprovação por placar apertado. Ele foi um dos petistas mineiros que apresentaram clara mudança de postura desde a decisão contrária da executiva nacional, elogiando a humildade do prefeito Fernando Pimentel em trabalhar apenas nos bastidores para convencer a cúpula do partido a voltar atrás.

Mas boa parte da executiva nacional não quer nem ouvir falar em recuo, preocupados com a tese divulgada nacionalmente de que a aliança significa uma aproximação com o PSDB do governador Aécio Neves ¿ principal padrinho da coligação e interessado na aglutinação de forças para eventualmente disputar a Presidência da República em 2010. 

O secretário de Comunicação do PT, Gleber Naime, membro da executiva nacional, argumentou que a decisão do diretório estadual, longe de pressionar pela derrubada do veto à aliança, representa um partido rachado ao meio em Minas Gerais. 

Se houve 26 votos contra e três abstenções, isso significa que 29 não queriam a aliança com o PSDB. Nessa situação, com o partido dividido ao meio, cabe à direção nacional reunificar o partido em Minas, alegou Naime, acrescentando que a executiva e o diretório nacionais têm mais autonomia para defender o PT de ingerências externas. 

Minha opinião é que temos de preservar o partido em Minas da ingerência do governador Aécio Neves, concluiu o secretário, favorável ao veto. 

Mas opinião oposta foi apresentada pela líder do PT no Senado, senadora Ideli Salvatti (SC), outra integrante da executiva nacional. Ela não se diz contra nem a favor da aliança, mas critica o próprio PT pela polêmica, principalmente os cardeais mineiros do partido contrários à coligação ¿ como o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e o secretário-geral da Presidência da República, Luiz Dulci. 

Cometemos um grande erro que foi não ter um candidato de peso, e como isso não se construiu, abrimos espaço para esse tipo de aliança. Quem abriu espaço foi o próprio PT, e não é por falta de nomes, observou. 

A deputada federal Maria do Carmo Lara (PT-MG), integrante da executiva nacional, lamentou o racha no diretório estadual e limitou-se a dizer que a questão exigirá calma e análise profunda. 

O PSDB vem e racha o PT, e isso é muito ruim para o partido. Acho que a direção nacional vai ter que analisar com profundidade o resultado dessa votação, desconversou.

Em São Paulo

O PTB fechou nesta quinta-feira aliança com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) , que disputa a sucessão à Prefeitura da capital paulista. O acordo foi selado por Alckmin e pelo presidente estadual e secretário nacional do PTB, deputado Campos Machado, em reunião na casa do ex-governador paulista.

A aliança também vai garantir ao tucano o apoio do PSDC, de José Maria Emayel, que já havia firmado acordo com Campos Machado. Com esses acordos, Alckmin garante cerca de 5 minutos na propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

Leia mais sobre: PT - PSDB - Eleições Municipais

    Leia tudo sobre: eleições municipais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG