PT começa a definir pré-candidato para SP em novembro

O Partido dos Trabalhadores (PT) vai iniciar no dia 1º de novembro o processo para a escolha dos pré-candidatos ao governo de São Paulo nas eleições de 2010. A informação foi confirmada pelo presidente estadual da sigla, Edinho Silva, que se reuniu com líderes da legenda hoje na capital paulista.

Agência Estado |

O PT decidiu também que não será necessário que o próprio pré-candidato se apresente como alternativa. Bastará que grupos apresentem nomes que consideram bons candidatos, resolução que facilita o caminho do ex-ministro da Fazenda e deputado federal Antônio Palocci (PT-SP) que, publicamente, não admite o desejo de concorrer ao governo de São Paulo, pretendendo ser aclamado como uma escolha da maioria da legenda.

Segundo Edinho, há consenso dentro do partido de que o PT deve escolher um nome para apresentar às siglas aliadas como uma das alternativas para o cargo de governador do Estado. A decisão ocorre logo após o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) transferir o seu domicílio eleitoral para São Paulo, o que abre a possibilidade para que ele concorra ao governo do Estado em 2010. A transferência de Ciro, segundo Edinho, ocorreu a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, defensor do nome para o cargo.

O ato foi encarado como uma forma de pressão do PSB sobre o PT, o que levou os petistas a voltarem a defender a candidatura própria de forma enfática. A ex-prefeita de São Paulo e ex-ministra do Turismo Marta Suplicy foi quem fez a manifestação mais contundente. Depois de deixar a sede do diretório estadual do PT, ela afirmou que a eventual candidatura de Ciro "não tem a ver com São Paulo".

Edinho ressalta ainda que mesmo as lideranças do partido que se colocam a favor da eventual candidatura de Ciro admitem que o PT precisa apresentar um nome da legenda no âmbito estadual. "Mesmo aqueles que são pró-Ciro entendem que o PT não pode deixar de ter um nome, mesmo que seja para negociar com o PSB", disse ele. "O PT precisa de uma liderança, não é possível que o partido entre de forma fragilizada na negociação", reafirmou. Edinho insistiu que o PT não vete o nome de Ciro para o governo de São Paulo, mas reconheceu que há grande resistência ao presidente Paulo Skaf, que acaba de se filiar ao PSB e tem pretensões de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes.

"Todos defenderam que temos de consultar o PSB. Mas não dá também para que lideranças do PSB falem o tempo todo na imprensa que o partido terá candidatura própria em São Paulo, independente do PT. Isso é uma postura inábil do PSB", afirmou. "Não podemos chegar a uma negociação vetando nenhuma liderança de nenhum partido. O Ciro Gomes tem mais sensibilidade de alguns petistas, mas o nome de Skaf, neste momento, ninguém falou favoravelmente", ressaltou.

Segundo Edinho, grande parte da base do PT e de lideranças do partido não aprova o nome de Skaf, que liderou movimento que culminou no fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), derrubada no Senado, e promoveu o ato "Cansei", em que entidades empresariais e representativas da sociedade civil se colocaram contra o governo Lula. "Mesmo o governo tendo tentado dialogar na questão da CPMF, naquele momento o movimento puxado por Skaf foi arredio ao diálogo", afirmou o petista. "E o movimento 'Cansei' foi de partidarização da sociedade civil, que não deveria ter posições partidárias. Era claramente contra o partido, contra o PT", frisou.

Consultas

O PT vai iniciar um processo de consultas formais ao nomes que se colocam como pré-candidatos ao governo de São Paulo ainda neste mês. Entre os cotados, há Antônio Palocci, Marta Suplicy, o prefeito de Osasco, Emídio de Souza, o ministro da Educação, Fernando Haddad, o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP), e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que, segundo Edinho, manifestou o desejo de concorrer ao governo em reunião de hoje.

Embora as inscrições para pré-candidatos já tenham data marcada, a partir do dia 1º de novembro, o prazo para a escolha final ainda não está decidido e poderá ocorrer até dezembro, como defendem alguns grupos petistas, ou somente em março, como desejam outras lideranças. Segundo Edinho, o pré-candidato será escolhido por consenso. "Não há ambiente para a realização de prévias no PT", garantiu.

Apesar da quantidade de pré-candidatos ao governo de São Paulo, o nome mais forte dentro do PT é o de Palocci. Ele deixou a reunião sem falar com os jornalistas. Mas, de acordo com Edinho, o deputado defendeu o diálogo com o PSB e demais partidos aliados (PDT, PR, PCdoB, PTB, PP) e afirmou que a candidatura de Ciro Gomes deve ser considerada pelo PT. "Ninguém foi contra dialogar com os aliados." Mas segundo outros membros do partido, Palocci acredita que o PT precisa defender um nome para não se tornar refém de Ciro ou de Skaf.

Outro pré-candidato, o prefeito de Osasco, Emídio Sousa, confirmou que lançará o seu nome na disputa. "Pode ser que eu apresente (a candidatura) ou um grupo o faça, mas meu nome vai ser colocado." Ele também admitiu que há uma preocupação dentro do PT de não se tornar refém do PSB e de Ciro. "Há uma preocupação porque todas as declarações que Ciro fez até hoje negavam a intenção de ser candidato ao governo de São Paulo. Ele dizia querer ser candidato a presidente. Então, porque vamos ficar aguardando que esse cenário mude? O PT tem força suficiente para se movimentar, independente do que o Ciro acha", declarou. "Além disso, o PSB tem outros pré-candidatos, como o Skaf e o vereador Gabriel Chalita. Não há motivo para ficarmos parados", acrescentou.

Para o presidente nacional do PT, deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP), a legenda precisa se preparar para as eleições de 2010, independente da transferência do domicílio eleitoral de Ciro para São Paulo. "Vamos construir uma candidatura a partir dos vários nomes que estão sendo ventilados, levantados pela militância e lideranças", disse. "Nós não estamos fixando uma posição de que o PT será obrigatoriamente candidato, mas não podemos ficar esperando as definições de o PSB e dos demais partidos sem preparar a nossa candidatura. Se o PT desejar ter candidato, terá de construir isso."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG