BRASÍLIA - O senador José Nery (Psol-PA) disse nesta segunda-feira que a presidente de seu partido, ex-senadora Heloísa Helena, vai estar em Brasília para protocolar em nome da sigla uma representação por quebra de decoro parlamentar contra o presidente do Senado, José Sarney(PMDB-AP) e o ex-presidente Renan Calheiros (PMDB-AL).

Tal como a denúncia feita nesta tarde pelo líder do PSDB, as acusações vão ser nomeação de parentes e apadrinhados para cargos na Casa e pela participação da empresa de seu neto, José Adriano Sarney, no negócio de crédito consignado para servidores.

No caso de Renan o partido pede a investigação dos atos secretos editados durante seu gestão à frente do Senado. A representação, contudo, vai deixar de fora o ex-presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN). De acordo com a assessoria do PSol há um entendimento que a estrutura montada por Sarney e complementada por Renan agia de forma independente de Garibaldi.

A representação deve ser protocolado às 12h desta terça. Além do ato o PSol ainda busca assinaturas para criar a CPI da Máfia do Senado, que visa investigar a edição de atos secretos e os contratos terceirizados da Casa. De 27 necessárias, o documento só conta, neste momento, com duas, a de Nery e a assinatura do senador Jefferson Praia (PDT-AM).

Leia mais sobre: atos secretos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.