condenada nesta sexta-feira à censura pública pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) por oferecer terapia para curar o homossexualismo masculino e feminino, a psicóloga Rozângela Alves Justino prometeu continuar sua atividade normalmente no Rio de Janeiro." / condenada nesta sexta-feira à censura pública pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) por oferecer terapia para curar o homossexualismo masculino e feminino, a psicóloga Rozângela Alves Justino prometeu continuar sua atividade normalmente no Rio de Janeiro." /

Psicóloga punida insiste em continuar oferecendo cura para homossexualismo

BRASÍLIA - Após ser http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/07/31/conselho+pune+psicologa+que+oferecia+terapia+para+curar+homossexualismo+7618911.html target=_topcondenada nesta sexta-feira à censura pública pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) por oferecer terapia para curar o homossexualismo masculino e feminino, a psicóloga Rozângela Alves Justino prometeu continuar sua atividade normalmente no Rio de Janeiro.

Agência Brasil |

Agência Brasil
Brasília - Psicóloga carioca Rosângela Alves Justino fala sobre a punição que o Conselho Federal de Psicologia lhe aplicou por oferecer terapia para curar o homossexualismo Foto: Valter Campanato/ABr

Psicóloga carioca Rosângela Alves
Justino fala sobre a punição que
o Conselho Federal de Psicologia
lhe aplicou por oferecer terapia
para curar o homossexualismo

Com certeza, vou continuar. Vejo que as pessoas têm direito de procurar esse apoio. É a pessoa que define o quer dentro da psicoterapia. Não sinto vergonha e nunca sentirei de acolher pessoas que querem deixar voluntariamente o estado de homosseuxalidade, afirmou Rozângela.

Estão me submetendo a uma mordaça. Mas quero dizer às pessoas que estão em estado de sofrimento psíquico e desejam deixar a homossexualidade que procurem profissionais nas suas cidades."

De óculos escuros e máscara, a psicóloga afirmou temer sofrer represálias nas ruas por movimentos que defendem os direitos dos homossexuais. "Não quero amanhã andar em todo o Brasil e ser reconhecida porque os ativistas gays sentem muita raiva de mim. Não quero de alguma forma ser atingida por essa ira e essa raiva.

Em contraponto à resolução na qual o CFP diz que a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão, a psicóloga citou uma publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) que traz a definição de transtorno de identidade sexual. "A homossexualidade pode ser primária ou secundária a outros transtornos, assinalou Rozângela.

O advogado Paulo Fernando, contratado pela psicóloga, anunciou que vai recorrer na Justiça Federal contra a decisão do CFP, que manteve condenação já imposta anteriormente pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro.

[A decisão] fere a liberdade de expressão, fere a liberdade científica e principalmente ofende aquelas pessoas que voluntariamente desejam praticar determinados atos. O resultado foi de uma flagrante injustiça e vamos argui-lo, ressaltou Fernando.

Em tom irônico, o advogado argumentou que a superexposição da cliente poderá render a ela mais demanda profissional. Nesses 28 anos, ela não teve nenhum paciente que reclamasse do tratamento que recebeu. Devido a essa notoriedade, acredito que vai ter fila na porta do seu consultório de tanta gente querendo ser atendida."

    Leia tudo sobre: homossexualomsrio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG