PSDB quer ir à Justiça contra apoio de Dilma ao PT

O PSDB estuda ir à Justiça Eleitoral contra a participação da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, na campanha eleitoral de candidatos do PT. Vou conversar com o partido em São Paulo para acionarmos a Justiça.

Agência Estado |

Temos de cobrar correção nisso", disse o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE). A declaração ocorreu logo após Guerra ser informado da promessa feita ontem por Dilma no horário eleitoral gratuito da candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, de que o governo federal vai investir no transporte público da capital paulista, o que inclui o metrô.

A propaganda de Marta tem destacado que prefeitura e União vão colaborar para a construção de 47,4 quilômetros de novas linhas para o metrô. Para líderes do PSDB e do DEM, a afirmação da ministra evidencia o uso da máquina pública federal em favor da candidatura da ex-prefeita.

A declaração de Dilma no horário eleitoral petista foi enfática. "Essa questão do transporte urbano em São Paulo, eu te asseguro que o governo federal não tem só todo interesse, mas como ele compõe o nosso programa. Como nós não trataríamos um dos problemas mais graves?", argumentou a ministra, pela manhã, no programa de rádio petista.

"O item não está no Orçamento, pois os primeiros recursos que nós vamos usar não são do Orçamento Geral da União, e sim financiamentos a serem liberados através dos recursos públicos que nós temos via BNDES e Caixa Econômica Federal. São Paulo pode ficar tranqüila no que depender do governo Lula." Dilma é a candidata preferencial do Planalto para a sucessão de Lula em 2010.

Grampo

"Isso é o uso escancarado da máquina. Só posso imaginar que a ministra Dilma vai desmentir isso", afirmou Guerra. Ele falou em "desrespeito ao povo de São Paulo". E prosseguiu: "O povo precisa do investimento, mas utilizar isso dessa maneira é um absurdo. Um claro e escancarado uso da máquina". Na mesma linha reagiu o presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ). "Essa gente não tem nenhum pudor. De um governo que faz grampo se pode esperar, infelizmente, de tudo", disse Rodrigo Maia. Foi uma referência ao grampo supostamente feito pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O governo nega envolvimento.

Os petistas, por sua vez, contestaram as acusações. O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), negou uso da máquina federal na campanha de Marta. "Se a ministra Dilma falasse 'vote na Marta que o governo vai fazer metrô em São Paulo', poderiam falar em uso da máquina. Mas não foi nada disso o que aconteceu. A ministra falou da política do governo e ela apareceu como apoiadora, que é, da Marta", defendeu Berzoini. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: dilma roussefpsdb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG