PSDB protocola três representações no Conselho de Ética contra Sarney

BRASÍLIA - Após quase dois dias de discussão, o PSDB optou por entrar com três representações no Conselho de Ética contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB ¿ AP).

Camila Campanerut, repórter em Brasília |

As representações se referem à denúncia de que o peemedebista teria beneficiado a empresa do neto, José Adriano, a operar com crédito consignado com servidores. Outras duas denúncias foram reunidas em uma. Elas se baseiam na acusação de que o presidente da Casa teria mentido em relação ao envolvimento dele com a Fundação Sarney e nas possíveis irregularidades de contratos da mesma Fundação com a Petrobras. A outra representação reúne as responsabilidades de Sarney nos atos secretos, tanto na nomeação de Agaciel Maia, quanto na influência direta na contratação do namorado da neta dele, Henrique Bernardes.

O presidente do partido, Sérgio Guerra (PE) disse que a legenda está ignorando as ameaças do PMDB de entrar com representações contra o líder dos tucanos, Artur Virgílio (AM). Não podemos colocar panos quentes (nas denúncias contra Sarney), quando a população quer esclarecimentos, afirma Guerra.

AE
José Sarney é alvo de representações
Mais cedo, o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), defendeu uma mudança na estratégia do partido para pressionar a saída de Sarney no comando da Casa Legislativa.

A idéia do tucano era protocolar quatro em vez de uma representação contra o peemedebista. Com isso, seriam necessários quatro relatores ¿ um para cada representação. Além do peso maior que as denúncias individuais, as representações só podem ser arquivadas após a decisão conjunta dos membros do Conselho de Ética.

Outra razão do líder ter sugerido que sejam feitas quatro denúncias é enfraquecer o poder de decisão do atual presidente do colegiado, Paulo Duque (PMDB-RJ), que é aliado de Sarney. Assim, os DEM não precisaria entrar com uma representação, o que os deixaria disponíveis para relatar algum processo.

Mais um motivo para defender o parcelamento da representação é o fato de que as ações tirariam do DEM a necessidade de também representar contra Sarney. Isso permite que um dos senadores da legenda possa ser sorteado como relator de um dos processos. Uma vez que o partido entrou com representação, ele é automaticamente excluído da relatoria que vai analisar o caso. Desta forma, a oposição conseguiria ter um espaço de destaque, em meio à maioria aliada ao presidente do Senado.

Leia também:

Leia mais sobre: Sarney

    Leia tudo sobre: psdbsarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG