PSDB indica senadores para CPI da Petrobras e pretende brigar por cargo-chave

BRASÍLIA - Os senadores do PSDB indicados para compor a CPI da Petrobras são Sérgio Guerra (PE), atual presidente do partido, Tasso Jereissati (CE), ex-presidente da legenda e ex-governador do Ceará, e Álvaro Dias (PR), ex-governador do Paraná e autor do requerimento de criação da CPI. Os nomes foram anunciados na tarde desta terça-feira pelo líder tucano Arthur Virgílio (AM).

Carol Pires, repórter em Brasília |

Como a oposição terá direito a apenas cinco vagas na comissão ¿ sendo três titulares e duas suplências ¿ o PSDB ainda irá negociar com o DEM a concessão de uma vaga a mais. Assim, PSDB teria direito a três das cinco vagas e o DEM apenas dois.

Arthur Virgílio informou ainda que espera chegar a um acordo com os líderes partidários da base aliada ao governo para indicar o nome de um dos cargos-chave da comissão. Pelo regimento do Senado, as maiores bancadas devem indicar os nomes para as funções de relator e presidente. Mas, a praxe é de que um desses cargos seja cedido à oposição, o que, desta vez, deverá ser mais difícil de ocorrer. Tratorar a oposição é um péssimo começo porque já nos chama para a briga, alertou o senador .

A expectativa é de que o PTB indique o senador Fernando Collor (AL). DEM, PMDB, PDT e PT ainda não anunciaram suas nomeações. Mas os senadores Aloízio Mercadante (PT-SP) e Romero Jucá (PMDB-RR) devem ser convocados para compor a linha de frente do governo. Juntos, os partidos da base poderão escolher oito representantes titulares.

Para o senador Virgílio, a tropa de choque do governo não irá impedir as investigações. Não entendo o que tenha levado o governo a ficar tão agoniado. Tinha tempo que eu não via o presidente tão  agoniado, fora daquela coisa de paz e amor, ironizou.

Entenda

A CPI criada para investigar irregularidades na Petrobras contou com o apoio de 30 senadores, três a mais que o número mínimo necessário para a criação de uma Comissão de Inquérito. O autor do pedido é o senador tucano Álvaro Dias (PSDB-PR).

Em seu requerimento, Álvaro destaca os seguintes pontos a serem investigados:

  • Indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontados pela operação Águas Profundas da Polícia Federal;
  • Graves irregularidades nos contratos de construção de plataformas, apontados pelo Tribunal de Contas da União;
  • Indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados por relatório do Tribunal de Contas da União;
  • Denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo, apontados pela operação Royalties, da Polícia Federal;
  • Denúncias de fraudes do Ministério Público Federal envolvendo pagamentos, acordos e indenizações feitos pela ANP a usineiros;
  • Denúncias de uso de artifícios contábeis que resultaram em redução do recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões;
  • Denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínio da estatal.


A CPI vai ter 180 dias para realizar seus trabalhos, podendo ser prorrogada por igual período. 

Leia também


Opinião

Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    Leia tudo sobre: cpicpi do petrobras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG