PSB pressiona PT a apoiar aliança com tucanos em BH

O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, condicionou o apoio do seu partido ao PT na disputa de outras capitais ao apoio dos petistas à candidatura de Márcio Lacerda (PSB) em Belo Horizonte. Ao sair de um encontro com o governador Aécio Neves (PSDB) e o prefeito de BH, Fernando Pimentel (PT), Campos evitou usar a palavra condicionamento, mas mandou um recado claro aos caciques petistas, afirmando que é o PSB quem vai conduzir o processo de aliança em Belo Horizonte.

Agência Estado |

"Gestos de boa vontade nós só vamos ter se gestos de boa vontade vierem também na direção do PSB. Nobres gestos agora têm de ser acompanhados de gestos também recíprocos do PT. Posso discutir Manaus, posso discutir Rio, posso discutir São Paulo, agora eu quero discutir também Belo Horizonte", afirmou, lembrando que em três Estados (Ceará, Rio Grande do Norte e Recife) o PSB apóia prefeituras comandadas pelo PT. Lacerda é ex-secretário do governo Aécio Neves (PSDB) e tem como vice o deputado estadual Roberto Carvalho (PT).

O governador de Pernambuco disse que não é equilibrado uma aliança entre dois partidos em que um seja prejudicado. "Todos nós temos necessidades. Vamos sentar à mesa para resolver a necessidade de todos nós. Não é justo que se resolva a necessidade de uns e outros saiam da mesa sem a solidariedade de ninguém. Isso não é equilibrado", disse.

Campos disse que dialoga de "forma madura" com a Direção Nacional do PT, mas advertiu que não gosta de imposições. "Estamos conversando, não tem imposição. Eu não gosto que ninguém chegue pra mim impondo absolutamente nada. Exatamente por isso não chego impondo nada a ninguém", disse. Há algumas semanas, a Executiva Nacional do PT proibiu a aliança formal do PT com o PSDB na capital mineira, na chapa encabeçada pelo PSB, apesar de a união ter sido aprovada pelo Diretório Municipal do partido.

O presidente nacional do PSB informou que teve ontem em Brasília uma conversa com o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, e que "se houver boa vontade" é possível acertar a situação da aliança em Belo Horizonte. "O que não pode é o PSB querer sentar à mesa para resolver BH e fechar a porta para resolver São Paulo, por exemplo", disse. O presidente do PSB mineiro, Wander Borges, confirmou que a convenção do partido em Belo Horizonte será no dia 29 de junho. "O governador (Eduardo Campos) deixou bem claro. Ele está dando um gesto de apoio em outras capitais e quer receber aqui também. O caso de Belo Horizonte é de extrema importância para o PSB", reiterou.

Pimentel

O prefeito Fernando Pimentel ainda tem esperança que a Direção Nacional do seu partido reveja o veto imposto à aliança entre petistas e tucanos na capital mineira depois que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se posicionou a favor desta união. "Lula é a maior liderança do PT no Brasil e, como ele se manifestou publicamente a favor da aliança em BH, esperamos agora que a Direção Nacional do partido reveja sua posição", afirmou. A pressão do PSB deixou Aécio Neves otimista em relação à consolidação da aliança entre tucanos e petistas em Belo Horizonte. "Estou extremamente otimista. O PSB é o partido mais importante da base de apoio de Lula e creio que haverá compreensão do PT em relação aos interesse partidários do PSB", afirmou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG