PSB prepara Ciro Gomes para a disputa presidencial

RECIFE ¿ Por mais que se tenha tentado evitar a conotação eleitoral, o encontro do PSB, realizado nesta quinta-feira (11), no Hotel Recife Palace ¿ onde o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, foi reconduzido à presidência do partido e mais 88 membros do diretório nacional foram empossados ¿ serviu também para fortalecer o nome do deputado federal Ciro Gomes (CE) para a disputa presidencial de 2010.

Agencia Nordeste |

Embora tenham dito que não houve uma conversa preliminar para fechar acordo em torno da candidatura de Ciro, todas as lideranças de "peso" presentes ao evento, de forma uníssona, afirmaram que é hora de os socialistas prepararem uma agenda política por todo o Brasil, apostando inclusive no deputado para consolidar essa prática.

"A grande tarefa é reconstruir o bloco de esquerda. E o partido está muito bem, podemos fazer escolhas. Minha análise é de que time que não joga, não forma torcida. Temos uma certa autoridade moral por causa daquilo que representamos", ressaltou Ciro, ao falar das eleições 2010. Ao ser provocado pela imprensa a respeito do seu nome estar sendo bem cotado nas pesquisas eleitorais, ele disse que tem muito "cimento político", mas que não pode se prender a uma avaliação numérica e que ninguém pode ser candidato de si próprio.

Depois, em alguns momentos do debate sobre os impactos da crise econômica realizado após a cerimônia de posse, Ciro confessou estar incomodado com as especulações sobre o pleito e fez questão de frisar que está preocupado em fazer uma discussão política mais ampla. Entretanto, voltou a cair em contradição quando fez duras críticas ao governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que desponta como nome favorito das oposições para as eleições daqui a dois anos. O parlamentar descredenciou Serra ao compará-lo com o governador de Minas Gerais e também presidenciável, Aécio Neves (PSDB). Aécio é muito mais brasileiro, muito mais nacional. Serra é sem fígado, sem coração, alfinetou.

Para Eduardo Campos, que já teve seu nome lembrado para 2010 em rodas de conversas dos partidos aliados, Ciro é único do PSB que tem o nome colocado como opção para o embate eleitoral. Ciro Gomes vai andar o Brasil, mas não vamos eleitoralizar o debate de 2009. E temos que tomar uma decisão coordenada com o bloco de sustentação do governo, salientou, negando qualquer hipótese de vir a entrar na disputa.

Seguiram o mesmo posicionamento do presidente nacional da agremiação os governadores Cid Gomes (CE) e Wilma de Faria (RN). Até junho de 2010, quando tomaremos uma posição sobre a eleição, tudo o que for dito corresponde apenas a uma série de etapas. Agora, não é porque é meu irmão: o deputado Ciro Gomes, é o nome que aparece mais bem cotado na sigla. (...) O governador Eduardo Campos é um nome excelente, só que ele ainda não tem o conhecimento popular, avaliou Cid. Temos nomes fortes para lançar e levantar o partido. Ciro teria mais condições porque ele tem mais visibilidade, já foi duas vezes candidato a presidente. Se for o caso, lançamos um candidato e o PT outro. No segundo turno, nos unimos, destacou Wilma.

Representando o sentimento dos integrantes da legenda no Senado, o senador Renato Casagrande (ES) confirmou a predileção por Ciro. Ele é um grande quadro. Temos que desenvolver uma agenda de debates para que o Ciro circule por todo o Brasil, corroborou. Também participaram do evento prefeitos, deputados federais e estaduais, secretários de governo e até mesmo representantes de outras siglas.

Crise e Críticas

Apesar de assegurarem apoio ao presidente Lula (PT) no combate à crise econômica financeira mundial, as lideranças socialistas fizeram críticas ao modelo de gestão implantado pelo governo federal. Até o presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que é reconhecidamente um aliado fiel do presidente, fez reclamações. Nós temos a coragem de dizer que é um absurdo as taxas de juros que estão sendo arbitradas no País. Quando nações baixam suas taxas para garantir o crescimento, o Brasil mantém nos mesmos patamares. Agora, não podemos mais aumentar os juros", asseverou.

Ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula, o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) não se conteve e foi duro na sua avaliação. É a taxa de juros mais alta do mundo. O Lula briga contra o governo, disse, aludindo à estrutura da máquina pública que, na sua avaliação, dificulta um avanço significativo do presidente em relação às questões econômicas.

De qualquer forma, o PSB apresentou uma carta contendo a opinião do partido sobre a crise e também o posicionamento que eles deverão tomar durante esse período. A intenção é promover o debate político a respeito dessa situação, apontando para acontecimentos históricos causadores dessa crise. Não vamos deixar essa discussão cair no economês. Vamos provocar o debate político, mostrar que isso tudo vem desde o modelo neoliberal, que já ruiu, explanou Eduardo Campos, referindo-se à gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O discurso do PSB se aproxima muito do que está sendo colocado pelos petistas, que acusam a política do neoliberalismo pela eclosão dessa crise.

PSB com Tião Viana

O PSB apoiará a candidatura do senador Tião Viana (PT-AC) à presidência do Senado. A confirmação foi dada pelo líder dos socialistas na Casa Alta, Renato Casagrande (ES), durante o encontro da sigla. De acordo com ele, além de ratificar a aliança com o petista, os integrantes do partido lutarão para demover os peemedebistas da idéia de lançar um postulante próprio.

Torcemos por uma candidatura única, de consenso, e temos essa expectativa de unir o PMDB a esse projeto. O Senado e a Câmara Federal não estão vinculados regimentalmente, mas há um vínculo político. Não seria bom para o Congresso ter dois presidentes da mesma sigla, explicou, referindo-se ao acordo selado entre peemedebistas e petistas para que o deputado federal Michel Temer (PMDB-SP) seja o candidato de consenso da base governista na Câmara.

PDT e PRB também já anunciaram a aliança com Tião Viana. Porém, o clima só tende a esquentar no Senado, haja vista que o PMDB se reuniu recentemente e decidiu que disputará a presidência. Eles argumentam que deram espaço demais para os aliados e que, acima de tudo, devem ocupar o cargo por possuírem a maior bancada de parlamentares.

Câmara Federal

Enquanto isso, na Câmara Federal, os deputados socialistas não têm um posicionamento definido no tocante às eleições para a presidência da Casa. O parlamentar Ciro Gomes explicou que o PSB não aceitará pacote pronto nem negociação de cargo. Tenho um descontentamento em relação a esse acordo do PT e PMDB (selado em 2006, quando os petistas se comprometeram a apoiar o candidato peemedebista para a vaga neste ano), desabafou, explicando que a sua agremiação espera uma sinalização do presidente nacional, o governador Eduardo Campos.

Conselho Deliberativo da Sudene

À tarde, os governadores Cid Gomes e Wilma de Faria marcaram presença na reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Segundo Cid, o encontro não teve nada fora do comum. Uma reunião de rotina, disse. Já a governadora do Rio Grande do Norte fez uma crítica tímida em relação à atuação da Sudene. Espero que Superintendência fique mais robusta, se estruture mais para que haja um desenvolvimento sustentável no Nordeste, alertou.

Leia mais sobre: Eleições 2010

    Leia tudo sobre: eleições 2010psb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG