Protógenes sai do comando da Operação Satiagraha

Brasília - Atacado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, e desprestigiado pelos superiores, que o acusam de excesso de individualismo, o delegado da Polícia Federal (PF), Protógenes Queiroz, não resistiu às pressões e deixou o comando da Operação Satiagraha. A saída dele do caso foi acertada em uma reunião ontem à noite, na Superintendência da PF em São Paulo, entre ele o delegado Jáber Saadi - seu superior imediato - e o diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado, Roberto Troncon Filho, emissário da Direção-Geral da PF, situada em Brasília.

Agência Estado |

A Direção da PF confirmou o afastamento de Protógenes, mas alegou que a saída foi "a pedido" do próprio delegado e não uma punição em decorrência da sua suposta insubordinação. O substituto poderá ser designado amanhã. Por meio da assessoria, a PF informou que desconhece a saída de dois auxiliares de Protógenes - os delegados Karina Marakemi Souza e Carlos Eduardo Pellegrini. A PF negou que haja uma rebelião na equipe que participou da Operação Satiagraha, responsável pela prisão do banqueiro Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas e do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

Segundo a assessoria da PF, Protógenes alegou na reunião que faz, desde março, o Curso Superior de Polícia a distância e, na próxima segunda-feira, começam as aulas presenciais, por 30 dias. De acordo com essa versão, Protógenes disse a Troncon que não deseja voltar a atuar no caso após concluir o curso e pediu que lhe sejam atribuídas novas funções.

Queixas

Nos bastidores, porém, o delegado tem-se queixado de que vem sofrendo boicote sistemático na instituição desde que o atual diretor-geral, Luiz Fernando Corrêa, tomou posse no cargo, em setembro passado, no lugar do delegado Paulo Lacerda, que foi deslocado para a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Acusado de não ter dado satisfações da operação aos superiores, de agir com excesso de individualismo e de recorrer irregularmente ao auxílio da Abin, entre outros "desvios", Protógenes é alvo de uma sindicância administrativa e uma representação na Corregedoria da PF, que podem render de advertência à remoção do delegado para um lugar remoto ou mesmo um processo de demissão.

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG