Protógenes obtém habeas-corpus para ficar calado e não ser preso em CPI

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Menezes Direito concedeu nesta quarta-feira habeas-corpus preventivo ao delegado de Polícia Federal Protógenes Pinheiro de Queiroz que deve depor, na próxima semana, na CPI das Escutas Telefônicas, na Câmara dos Deputados.

Sarah Barros, Último Segundo/Santafé Idéias |

Protógenes requereu o direito de ficar calado durante as perguntas e terá um salvo-conduto contra a obrigatoriedade de ele assinar termo de compromisso como testemunha no depoimento. O delegado também não poderá ser preso durante a reunião da comissão e poderá contar com um advogado durante o depoimento. 

Agência Brasil
Protogenes no primeiro depoimento na CPI
O depoimento do delegado estava previsto para a tarde desta quarta-feira. Porém, nesta terça-feira, a comissão decidiu adiar a sessão para o dia 8 de abril . O objetivo é que Protógenes seja ouvido um dia antes do depoimento do ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), transferido para o dia 9 de abril. A comissão pretende contrapor os depoimentos e avaliar contradições nas falas dos dois policiais, que atuaram na Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

O uso de agentes da Abin na operação comandada por Protógenes é questionado por parlamentares. Estes agentes teriam tido acesso a escutas relacionadas à operação. O delegado da PF também seria responsável por supostos grampos ilegais feitos inclusive no Supremo Tribunal Federal.

Leia mais sobre: STF - Protógenes

    Leia tudo sobre: protógenes queiroz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG