Protesto em frente à residência oficial do governador do DF reúne 100 pessoas

Brasília - Cerca de 100 pessoas protestaram na tarde desta terça-feira em frente à residência oficial do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, em Águas Claras. A manifestação é pacífica, mas a Polícia Militar precisa conter a pequena concentração de pessoas que fecham a todo momento a EPTG, via que passa em frente ao local dos protestos, pela qual trafegam diariamente cerca de 140 mil motoristas, segundo a Secretaria de Transportes do DF.

Agência Brasil |

Como a polícia isolou a área em frente à casa do governador, sob a alegação de que o trecho está em obras, os manifestantes estão reunidos do outro lado da pista. Arruda é acusado de comandar um suposto esquema de pagamento de propinas no Distrito Federal descoberto pela Polícia Federal na Operação Caixa de Pandora.


Militantes do PSol e do PT fazem manifestação em Brasília / ABr

A concentração reuniu militantes do PSol e do PT e integrantes de movimentos estudantis e sindicais do DF. Também chegaram, no início da tarde, ao local da manifestação técnicos penitenciários do DF, que decidiram hoje (1º) entrar em greve, conforme vinham anunciado há alguns dias.

Os manifestantes empunhavam faixas e bandeiras, distribuem panfletos e gritam palavras de ordem. Eles pedem o impeachment do governador José Roberto Arruda, e do vice-governador, Paulo Octavio, e o afastamento do presidente da Câmara Legislativa, Leonardo Prudente, e de todos os parlamentares envolvidos no caso.

Panetones, meias, cuecas e réplicas de maços de dinheiro são oferecidos aos motoristas que passam no local, em referência às imagens gravadas pela Operação Caixa de Pandora, em que integrantes do alto escalão do governo e empresários do DF aparecem recebendo maços de dinheiro e à justificativa apresentada por um dos possíveis envolvidos no esquema de que o dinheiro  era para a compra de panetones que seriam dados à população de baixa renda. propina.

A maioria das pessoas que passam pelo local solidariza-se com os manifestantes com acenos, buzinas e palavras de ordem. Mais cedo, antes de os manifestantes se reunirem, houveram protestos isolados.

O presidente distrital do P-SOL, Antônio Carlos de Andrande, o Toninho do P-SOL, acredita que ao longo do dia aumente o número de participantes do protesto. Ele defende a participação de toda a população e dos movimentos organizados que lutam contra a corrupção e o banditismo que se instalou no Distrito Federal. Para ele, a crise no governo local é reflexo do que ocorre em todo o país.

Nós [P-SOL] estamos fazendo a nossa parte e contamos com o apoio de todos, porque não podemos deixar que joguem debaixo do tapete mais esse escândalo, afirmou.

Entenda

Inquérito da PF

Vídeos

Leia também:

Crise de 2001

    Leia tudo sobre: arrudacorrupçãodistrito federalescândalo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG