RIO DE JANEIRO - Uniformes de policiais militares com marcas vermelhas representando sangue foram estendidos num varal ao lado de cruzes na praia de Ipanema nesta quarta-feira, numa manifestação para lembrar os PMs mortos em serviço nos últimos anos. Um cartaz diante do varal dizia: Eles tombaram em defesa do povo do Rio. Segundo a ONG Rio de Paz, que organizou o protesto, 58 policiais fluminenses morreram durante o trabalho nos últimos dois anos.

Reuters
Reuters
"Varal" ocupou a Praia de Ipanema, no Rio

O deputado estadual Marcelo Freixo, presidente da Comissão de Direito Humanos da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), argumenta, no entanto, que "a maioria esmagadora" acaba morrendo no período de folga.

"Eles morrem fora de serviço porque boa parte desse tempo de folga eles não estão descansando, mas sim trabalhando, fazendo bico em áreas de segurança privada ou coisas do gênero, onde o risco é muito maior", disse Freixo por telefone
.

Reuters
Reuters
Outra imagem do protesto

Segundo o deputado, os sindicatos de policiais do Estado estimam que mais de 1.000 policiais morreram fora de serviço nos últimos dez anos. Dados do Instituto de Segurança Pública do Estado (ISP) mostram que 87 morreram durante o trabalho entre 2006 e 2008.

Freixo, que presidiu a CPI das Milícias da Alerj no ano passado -- que incluiu vários policias entre os 225 indiciados por participação nesses grupos -- afirmou que os policiais são obrigados a buscar um serviço extra devido à baixa remuneração, e que as próprias milícias são responsáveis por boa parte das mortes.

"Nesses serviços, que são necessários em função do baixo salário, o risco é muito maior", afirmou Freixo. "Muito policial morre em função das milícias", acrescentou.

Para o tenente-coronel da PM Antonio Carlos Carvalho Blanco, que participou da manifestação em Copacabana, os policiais do Rio "são tanto algozes como vítimas da violência".

Leia mais sobre: protesto no Rio de Janeiro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.